Por luis.araujo

Rio - A regularidade de Pará é referência para o time do Flamengo. A qualidade indispensável para qualquer equipe vencedora faz parte do uniforme do lateral-direito. Com ela, o jogador, antes criticado e agora xodó da torcida, sustenta a sua titularidade desde julho de 2016. Uma consistência que serve de inspiração na busca pela terceira vitória seguida pelo Campeonato Carioca, contra o Nova Iguaçu, hoje, às 16h30, em Moça Bonita.

Do atual elenco, apenas Juan, Everton, Márcio Araújo, Marcelo Cirino e Gabriel já atuaram mais vezes com a camisa do Flamengo do que Pará, que entra em campo, nesta tarde, pela 97ª vez pelo clube de coração. Dono da posição e há tanto tempo em boa fase, ele prefere deixar enterradas no passado as lembranças da rotina de vaias. 

Em 2016, Pará vinha sendo alvo constante de críticas vindas dos torcedores do FlamengoMárcio Mercante / Agência O Dia

“Prefiro falar do presente e do futuro. Estou num momento maravilhoso”, disse Pará, que emendou: “Até nos momentos de adversidade, procurei manter a cabeça boa e fria. Sempre falei para os meus familiares que daria a volta por cima, conquistaria torcedores e diretoria. Estou feliz, colhendo os frutos. Agora, é continuar a caminhada, tem muita coisa pela frente.”

Pará chegou ao Flamengo a pedido de Vanderlei Luxemburgo, em 2015. O treinador destacava, à época, a regularidade como principal característica do jogador. Costumava dizer se tratar de um lateral sempre nota 7. Embora não fosse brilhante, dificilmente comprometia. No início da trajetória do camisa 2 no Rubro-Negro, porém, as atuações ruins pareciam desmentir o treinador.

Atualmente, ele continua a contrariar Vanderlei. Agora, no entanto, com performance acima daquela expectativa. Tanto que, aos olhos da comissão técnica e da diretoria, a lateral direita é questão superada. Com Pará e Rodinei no elenco, o clube nem gastou energia com a posição no mercado. “Tem que ter a cabeça boa, manter a tranquilidade e colocar o vento contra, a favor. Trabalhando, as coisas acontecem naturalmente”, ensina.

Dobradinha com Rodinei

A eficiência de Pará fez Zé Ricardo procurar outra forma de usar a força ofensiva de Rodinei. Nas últimas duas partidas, o lateral-direito reserva entrou, mas sem que o titular precisasse sair. Como se fosse um ponta, virou uma alternativa para o segundo tempo, principalmente porque Mancuello tem sentido o cansaço nessa função. 

“Ele me ajuda demais. Sabemos que o Rodinei tem muita força. Nas duas oportunidades que o Zé Ricardo deu para ele, procuramos fazer coisas mais simples, colocando o que o Zé pediu. As coisas aconteceram naturalmente. Temos vários jogadores de qualidade que podem fazer essa função, mas o Rodinei está vindo bem também”, afirmou Pará, que elogiou as atuações de Mancuello e ressaltou Gabriel como outra alternativa.

Você pode gostar