Que fase! Muralha vive um filme repetido no Flamengo

Mais uma vez, às vésperas de jogo decisivo, Rueda se vê às voltas com o drama para escalar o goleiro do time carioca

Por O Dia

Rio - Na partida anterior a uma decisão, Alex Muralha falha e deixa Reinaldo Rueda num dilema: manter o goleiro ou colocar na fogueira quem antes era o último da fila. A torcida do Flamengo já viu esse filme em 2017. Um drama que acabou em tragédia. A missão do Rubro-Negro é reescrever o roteiro, desta vez com um final feliz. César, goleiro que não atua numa partida oficial há dois anos, deve ser escalado no papel de possível salvador, quinta-feira, contra o Junior Barranquilla, no jogo de volta da semifinal da Sul-Americana.

Muralha falhou duas vezes no último jogo do FlamengoAndré Fabiano / Estadão Conteúdo

César atuou pela última vez na derrota do Flamengo para o Palmeiras por 2 a 1, em 6 de dezembro de 2015, pelo Brasileiro. No ano passado, emprestado à Ponte Preta, ficou apenas no banco, nas 23 vezes em que foi relacionado. Nesta temporada, buscou espaço na Ferroviária, mas atuou apenas no segundo tempo de um amistoso com o Corinthians.

A sensação de déjà vu parece inevitável. Thiago, 21 anos, recebeu tarefa parecida. O goleiro não estava inativo como César. Nem ele, porém, poderia imaginar que seria titular na primeira final da Copa do Brasil, contra o Cruzeiro. Como Diego Alves não estava inscrito na competição, Rueda escalou Muralha, opção natural, nas quartas de final da Primeira Liga, contra o Paraná, a fim de lhe dar ritmo.

No entanto, assim como contra o Santos, quando errou ao tentar dar drible em Ricardo Oliveira, o excesso de confiança, ou falta de cautela, traiu o goleiro. Muralha dispensou a barreira e, na cobrança de falta de longe de Renatinho, deixou entrar bola defensável. Depois, na disputa por pênaltis, não pegou uma cobrança sequer.

Rueda, diante do massacre de críticas sofrido por Muralha, mudou os planos. Só que o escolhido Thiago, aos 38 do segundo tempo, quando o Flamengo vencia por 1 a 0, soltou chute fraco de Hudson. Arrascaeta, que acabara de entrar, aproveitou a falha e empatou para o Cruzeiro.

"São momentos bem diferentes. O torcedor gritou o nome do César depois dos erros. O Muralha é muito visado. Isso pode acabar passando uma insegurança para ele, mas para a gente se demonstra muito seguro", disse Réver.

Muralha talvez nem no banco de reservas fique. Thiago, de volta após fratura no punho, deve ser relacionado.