Por rafael.arantes

Rio - O fantasma do rebaixamento para a Segunda Divisão já assombra o Fluminense. Depois de duas derrotas seguidas, Vanderlei Luxemburgo tenta administrar seu momento mais delicado no comando da equipe. Contratado com a missão de evitar o drama superado pelo Time de Guerreiros em 2009, o treinador encara a pressão de frente e garante que estava precavido para enfrentar o delicado momento.

Questionado sobre uma possível demissão do clube, ele não perdeu a tranquilidade. “Nenhuma preocupação. Quando cheguei ao Fluminense, sabia que, se não conseguisse resultados, estaria exposto e seria colocado em xeque. Fiz um contrato até o fim do ano e sabia o risco que estava correndo”, disse Vanderlei Luxemburgo.

Luxemburgo já é contestado no FluminenseCarlos Moraes / Agência O Dia

Há um mês nas Laranjeiras, o sucessor de Abel Braga conta com a aprovação dos cartolas e, com o aval da diretoria, iniciou o processo de reformulação, utilizando muitas promessas de Xerém.

Com a eliminação precoce na Copa do Brasil, a pressão aumentou na disputa do Campeonato Brasileiro. Realista, Luxemburgo jogou a toalha na briga pelo título e deixou claro que a permanência na Série A é o principal objetivo. Na próxima rodada, contra o Atlético-MG, o Tricolor terá mais uma delicada missão em seu projeto.

“O importante é se manter na elite do futebol brasileiro e ver o que precisa ser refeito nesse processo lento de renovação natural que vai acontecer em um grupo que está há quatro anos junto”, afirmou o comandante tricolor.

A situação se complica cada vez mais para o Tricolor. Depois de perder Jean por um mês, a equipe também não sabe se terá a volta de Diguinho contra o Galo. Fred embarcou para Belo Horizonte no sábado, mas preocupa a comissão técnica pelo incômodo que sentiu na coxa direita na derrota para o Santos. Em busca de dias melhores, Vanderlei Luxemburgo reinventa a equipe a cada rodada do Brasileiro em busca do equilíbrio perdido.

Você pode gostar