Por elisa.souza

Rio - Campeão brasileiro em 2010 e em 2012, o Fluminense coroou os medalhões Conca e Fred como protagonistas de suas recentes conquistas. Em um ano atípico, o clube vê seus astros apagados. Rafael Sobis é a exceção na avaliação da exigente da torcida. Em meio à crise que tem a luta contra o rebaixamento como ponto alto, uma promissora safra revelada em Xerém foi lançada. Vanderlei Luxemburgo não temeu o mau momento no Brasileiro e já aproveitou pelo menos nove apostas.

Luxemburgo acredita que novatos têm suportado bem a pressãoDivulgação

Biro Biro, com 22 participações, Igor Julião, com 16, e Rafinha, com 13, foram os mais solicitados pelo treinador. Questionado sobre o aproveitamento da garotada numa fase delicada, Luxa não crê que queimará o filme, mas sim etapas no processo de amadurecimento de muitas das revelações. Por enquanto, nenhuma delas deslanchou como Wellington Nem. Entretanto, todas têm suportado bem a pressão.

“É verdade. Temos que encarar, né? É uma realidade que não temos como fugir. Mas também é uma experiência muito boa para a gente. Um clube como o Fluminense não era para estar disputando posição lá embaixo, mas sim a ponta. A briga deveria ser sempre na parte de cima. Mas futebol é isso, temos realidades duras também”, disse Rafinha.

O discurso maduro do polivalente Rafinha está em sintonia com o dos demais companheiros oriundos de Xerém. Depois de conquistar a vaga de titular ao lado de Rafael Sobis, Biro Biro comemora o feito que promessas como Samuel e Marcos Junior não conseguiram aproveitar ao longo da temporada.

“Nesse momento temos que estar preparados para tudo. Tenho feito o melhor para ajudar o clube a sair dessa situação”, disse Biro Biro.

Cavalieri não teme má fase

Cavalieri diz não temer a má fase Divulgação

Figura frequente na lista de convocados para a seleção brasileira, Diego Cavalieri não teme que o possível rebaixamento para a Série B do Brasileiro possa prejudicar seus planos de disputar a Copa do Mundo no ano que vem. Concentrado no presente, o goleiro crê na permanência do Fluminense na elite.

“Não estou nem preocupado em relação a isso. O Mundial é daqui a oito meses. Minha preocupação é fazer um trabalho bem feito para poder sair dessa situação. Em relação à seleção, tudo é consequência do que a gente faz no dia a dia. Minha cabeça não está voltada para isso”, disse o camisa 12.


Você pode gostar