Dirigente tricolor minimiza declaração de Walter: 'Entendo a posição dele'

Atacante saiu de campo irritado por não ter sido utilizado por Cristóvão Borges contra o Atlético-MG

Por O Dia

Rio - Walter voltou a externa sua insatisfação com a reserva no Fluminense. Ao deixar o campo depois do empate entre o Tricolor e o Atlético-MG, por 0 a 0, o centroavante disse "ficarei calado para não falar m...". O diretor executivo Paulo Angioni viu a reação do jogador como algo normal.

"Analiso isso de uma forma centrada, sensata. O Walter é um jogador que tem dentro de si as verdades, um jogador que lido constantemente e sei o quanto é verdadeiro. Entendo a posição dele, e sei quanto tem o anseio em jogar. Naturalmente, o desconforto é de não ser aproveitado, o que é natural no meu entendimento. O duro é ter um jogador isento desse desejo. O desejo dele não, o dele é de jogar. Conheço bem o desejo dele de jogar, e quando não joga a pessoa fica triste e se precipita. Ele não se precipitou. Mostrou o desconforto sem entrar em detalhes. A realidade é essa, e entendo o desconforto dele", disse o dirigente tricolor à Rádio Brasil.

Walter reclamou da reserva após empate entre Flu e GaloMárcio Mercante

Diante do Galo, Walter sequer entrou no gramado. O atacante não deixou o banco nem para fazer o aquecimento com o restante do reservas. Questionado se o problema do atleta seria o peso, Paulo Angioni respondeu:

"Nunca ninguém reclamou comigo em relação a isso. Não tenho informação se a não utilização é questão de peso. Acredito que não. Se está no banco é porque está apto a jogar. Acho que é questão de opção mesmo", destacou, completando que o contrato com o atacante será cumprido até o fim:

"Ele tem contrato com o Fluminense, é um jogador que está trabalhando para sempre contribuir, se empenha e, naturalmente, pensamos nele em 2015. Pensamos em honrar o contrato", ressaltou.

O Fluminense encara o Internacional na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, às 16h, pela 28ª rodada do Brasileirão.