Por edsel.britto
Publicado 09/11/2014 21:29 | Atualizado 09/11/2014 21:30

Rio - Pé de coelho tricolor, o zagueiro Guilherme Mattis conheceu a primeira derrota com a camisa do Fluminense no sábado, para o Coritiba, mas não crê em abatimento na reta final. O jogador esteve em campo na sequência de quatro vitórias no Brasileirão e afirma que o grupo tem gás para muito mais. Os dois próximos jogos em casa, contra Botafogo e Chapecoense, serão decisivos para as pretensões de o Flu garantir uma vaga na Libertadores em 2015.

“Contra o Coritiba nosso jogo não encaixou. Entramos desligados, mas conseguimos equilibrar e então sofremos o gol quando estávamos melhor. Mas não adianta se desesperar, estamos na briga e faltam ainda cinco jogos para alcançarmos o nosso objetivo, que é uma vaga na Libertadores em 2015. Temos duas partidas em casa agora. Vamos treinar duro para vencê-las e continuarmos na briga”, afirmou o camisa 20 ao site oficial do clube.

O zagueiro Guilherme Mattis lamenta derrota para o Coritiba, mas acredita que time ainda tem muito gásDivulgação

Apesar do momento ruim do Botafogo, o clássico de sábado promete ser mais uma pedra no sapato tricolor. A última vitória do Fluminense sobre o arquirrival foi em 2012, por 1 a 0, gol de Fred. De lá para cá, foram seis partidas, com quatro vitórias alvinegras. O segredo para quebrar o jejum e triunfar em casa será impor seu jogo.

“Nós sabemos que são dois confrontos no Rio e não podemos pensar em bobear se quisermos a vaga na Libertadores. Clássico é sempre diferente, independentemente da situação do adversário, e temos que procurar nos impor”, completou Guilherme.

Problemas para o clássico

A derrota para o Coritiba, no sábado à noite, deixou marcas mais sérias no Fluminense do que a perda da invencibilidade de quatro partidas. Elivélton e Bruno deixaram o jogo reclamando de dores e devem desfalcar o time contra o Botafogo, no próximo sábado, no Maracanã.

O zagueiro foi substituído antes do intervalo após sentir dores no púbis. Já o lateral disputou a partida inteira, mas desabou no gramado após o apito final depois de uma dura entrada no joelho. Os dois serão reavaliados nesta segunda-feira.

“Claro que temos de esperar um pouco para ter análise e exames. São situações complicadas, mesmo o jogo sendo daqui a uma semana. As contusões estão doendo”, lamentou Cristóvão. Para a zaga, o treinador tem Fabrício e pode ter o retorno de Gum. Na lateral, o volante Rafinha pode ser improvisado.

Você pode gostar