Grupo político aliado ao presidente Peter Siemsen ironiza Eurico Miranda

Discussão seria por conta do lado das torcidas no Maracanã

Por O Dia

Retorno de Eurico ao Vasco promete uma nova rodada de polêmicas com o Fluminense pela escolha do local das torcidas no MaracanãAndré Luiz Mello / Agência O Dia

Rio - O Grupo político 'Flusócio', que apoiou o presidente Peter Siemsen nas últimas eleições do Fluminense, publicou na última quarta-feira uma postagem em seu site ironizando o desejo de Eurico Miranda em recuperar o local destinado à torcida do Vasco no Maracanã. Nesta quinta-feira, o dirigente tricolor deu sua versão para defender o uso da sua torcida pelo lado do Sul do estádio.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

"Com a mudança da entrada, estudamos para a torcida do Fluminense aquilo que seria mais organizado... A maior torcida organizada do Flu vem do Méier, passa pela lateral da Uerj. Não há dúvida que o local adequado para a entrada dela é pelo portão 18. A torcida do Vasco vem de São Cristóvão e sai muito próxima da entrada da Norte. Nós pensamos em tudo isso. Não é um desrespeito a time nenhum, é meramente um trabalho. É um negócio e dentro do negócio estabelecemos parâmetros. Temos uma relação boa com o consórcio e estamos trabalhando juntos para que tudo melhore e que o torcedor tenha o melhor. Fluminense vai cumprir contrato e trabalhar na linha do que está estabelecido", disse o presidente do Fluminense, nesta quinta-feira, em entrevista coletiva nas Laranjeiras.

Na última quarta-feira, Eurico Miranda afirmou que o Vasco não jogará no Maracanã se o local da sua torcida não for restabelecido (Confira no vídeo). O Grupo afirma que 'o poder de barganha' do presidente cruzmaltino é pequeno, e que no contrato de 35 anos firmado com o Consórcio que administra o Maracanã, este seria uma cláusula fixa.

Confira a postagem do Flusócio na íntegra:

"O site Globoesporte.com publicou hoje uma reportagem onde o Presidente do Vasco, Sr. Eurico Miranda, esperneia por não ter conseguido avançar em seu pleito de restabelecer para a torcida o seu Clube o lado direito fixo das arquibancadas do Maracanã.

Esquece-se Eurico que seu poder de barganha é pequeno, apenas sentimental, pois o Fluminense tem contrato de 35 anos assinado com o Consórcio, com esta cláusula de lado fixo embutida. Além disso, sua posição fica ainda mais frágil se lembrarmos que a maioria dos jogos de seu clube acontece em São Januário, enquanto o Fluminense joga sempre no Maracanã como mandante.

Segue o trecho mais relevante da reportagem: “O Fluminense decidiu não se posicionar oficialmente sobre o caso. De acordo com a assessoria de imprensa, o presidente Peter Siemsen mantém a posição defendida desde o ano passado e repetida na manhã desta quarta-feira em reunião na FERJ sobre o tema: a de cumprir o contrato com o consórcio do Maracanã. Desta forma, entende o Tricolor, está garantido o lado direito a sua torcida.

O encontro desta quarta foi convocado por Rubens Lopes. Além de Peter e Eurico, Sinval Andrade, vice-presidente do consórcio, também esteve presente. Nenhuma nova decisão foi tomada. As partes, para o descontentamento de Eurico, disseram manter o celebrado em contrato.”

A Flusócio reforça a posição do Presidente do Fluminense e se solidariza com a torcida tricolor, que não abre mão das conquistas obtidas em função de termos sido o primeiro clube a fechar acordo com o Consórcio Maracanã SA.

Os tempos mudaram, Eurico."