Por fabio.klotz

Rio - Sem condição física e psicológica de disputar a posição com Fred, Walter acertou nesta quinta-feira sua transferência para o Atlético-PR. Se o desafio do gordinho será agora em Curitiba, o de Fred será na semifinal do Carioca, pelo menos no primeiro clássico com o Botafogo. O atacante cumpriu suspensão contra o Madureira, mas continua na mira do TJD-RJ por causa das declarações dadas após a expulsão no Fla-Flu.

Fred é a principal arma do Fluminense contra o Botafogo%2C na semifinal do CariocaDivulgação

Denunciado, o capitão corre o risco de ser julgado na próxima semana e levar um gancho que pode chegar a seis jogos caso seja considerado culpado por desrespeito à arbitragem. Preocupado com a sua missão dentro das quatro linhas, o camisa 9 iniciou nesta quinta sua preparação. Um dos artilheiro do Carioca, com nove gols, ele terá pela frente sua principal vítima, que, porém, deixou os concorrentes para trás e levou a Taça Guanabara. Com 11 gols marcados em 17 partidas contra o Botafogo, Fred recebe ainda mais atenção dos holofotes por causa da irregularidade da equipe e desfalques importantes.

LEIA MAIS: Após tom de despedida no Fluminense, Walter assina com o Atlético-PR

Suspensos pelo terceiro cartão amarelo, Wellington Silva e Kenedy estão fora dos planos. Na lateral direita, Renato, Igor Julião e Rafinha são as opções. Testados anteriormente, nenhum deles convenceu. Em meio à escassez no ataque, Marlone ganha força, mesmo improvisado no setor.

LEIA MAIS: Fluminense mira contratações de Pierre e de Magno Alves

A suada classificação amenizou a tensão nos bastidores tricolor. A irregularidade da equipe preocupa a diretoria, que mantém o discurso otimista na tentativa de administrar a desconfiança da impaciente torcida. Aliviado, o técnico Ricardo Drubscky tem consciência de que terá muito trabalho pela frente.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

“Temos de melhorar muita coisa, mas sou consciente de que numa circunstância dessa a questão emocional se destaca. Quando entrei no vestiário, muitos me cumprimentaram e disseram que no Fluminense é sempre assim. Se continuar sofrendo assim até o fim do ano, eu morro. Vamos desenvolver modelo de jogo com mais segurança”, disse o treinador.

Você pode gostar