Uma barriga para a história

Com direito a festa, tricolores comemoram hoje lance antológico de Renato Gaúcho

Por O Dia

Rio - Dois cortes desconcertantes e uma barriga providencial acabaram com jejum de nove anos sem título do Fluminense. Uma conquista com muita superação de um time com salários atrasados e desacreditado até a decisão do Carioca de 95 contra o Flamengo, vencida por 3 a 2 no Maracanã. Drama não faltou: chuva, três expulsões e gol no fim contra o rival que celebrava o centenário e tinha Romário, então melhor jogador do mundo.

Entre tantos heróis, um foi decisivo: o ex-rubro-negro Renato Gaúcho superou estiramento muscular para voltar após 20 dias e entrar no hall de ídolos tricolores com o gol de barriga aos 41 minutos do segundo tempo, após grande jogada de Ailton. Até aquele momento, o Flamengo era o campeão com o 2 a 2. Afinal, tinha a melhor campanha no octogonal decisivo, graças a três pontos extras conquistados com o título da Taça GB.

Há 20 anos, Renato Gaúcho marcou gol do título do FluDivulgação

Como só a vitória interessava, o time comandado por Joel Santana partiu para cima. Com Romário bem marcado, o Fluminense abriu o placar aos 29: Renato Gaúcho desarmou William no meio e correu para área para completar cruzamento de Rogerinho. O atacante tricolor quase fez outro aos 36, após rebote de Roger, mas a bola bateu na zaga. O segundo gol era questão de tempo e Leonardo ampliou aos 41, após rebote e passe de Renato.

O Fluminense teve duas chances de matar o jogo, mas o clássico mudou quando Branco cobrou falta no travessão e o Flamengo acordou. Romário, na primeira vez em que ficou sozinho, pegou a sobra em chute de Charles e diminuiu, aos 26. Na comemoração, Sorlei e Marquinhos foram expulsos. O empate saiu após jogada individual de Fabinho, aos 32.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

O drama aumentou com a expulsão de Lira. Mas, mesmo com tudo contra, o Fluminense não desistiu. Ailton entrou na área, deu dois cortes secos em Charles Guerreiro e chutou. Renato, no lugar certo, desviou com a barriga e entrou para a História. Ainda houve tempo para Wellerson defender com o pé o chute de Romário e Lima ser expulso. O Fluminense terminou o jogo com Cadu e Ézio de zagueiros, mas nada mais importava aos tricolores, que puderam voltar a gritar: “É campeão!”

ZAGUEIRO FICA MARCADO POR MISSÃO DE PARAR CRAQUE

Renato Gaúcho e Ailton são os jogadores mais lembrados. Afinal, foram protagonistas do lance histórico (na súmula, o apoiador é apontado como o autor do gol). Mas o elenco tricolor de 95 contou com coadjuvantes importantes na campanha, como Wellerson, que ficou sete jogos seguidos sem sofrer gol, e Lima, o zagueiro que parou Romário.

Foram quatro Fla-Flus no Campeonato Carioca. Até a decisão, eram duas vitórias tricolores (3 a 1 e 4 a 3) e um empate (0 a 0), sem gol de Romário, que só desencantou na final. Nada que incomode Lima: “O título cobriu o gol que ele fez, né? Foi mais importante.”

Marcar o melhor do mundo foi difícil, mas Lima se vangloria de ser lembrado por tal feito. “Ficou na História, sou lembrado até hoje, é muito bom ser reconhecido por parar Romário. Foi uma grande responsabilidade e me preparei para isso, tinha noção de como seria.”

O respeito pelo craque era grande, a ponto de Lima não querer ver lances do Baixinho para evitar perder a confiança. E deu certo: “No primeiro clássico, Joel veio com a fita cassete do Romário e avisei que não queria ver. Deu tudo certo e o Renato ainda botou a barriguinha dele para nos dar o título.”

Para comemorar a conquista, Lima estará hoje,às 18h, no salão nobre das Laranjeiras, no evento organizado pelo Flu em homenagem aos heróis do título de 95. O ingresso custa R$ 10.