Após brilhar na Europa, xerifão Henrique mira a Libertadores com o Fluminense

Zagueiro tem mais uma chance e mira sequência como titular

Por O Dia

Rio - O francês de Henrique continua fluente. No entanto, foi em bom português que ele preparou o filho Thuram, de 12 anos, para lidar com a ansiedade de vê-lo em ação com a camisa do Fluminense. A sabedoria foi outra virtude ensinada ao primogênito para absorver as críticas recebidas pelo pai via imprensa, torcedores e até colegas da escola. Com fé no resultado do trabalho, Henrique perseverou e como recompensa terá a chance de disputar a segunda partida como titular no confronto com o Avaí, neste sábado, às 18h30, na Ressacada, em Florianópolis.

Henrique é mais um guerreiro do FluminenseMárcio Mercante / Agência O Dia

Fruto da extinta parceria com a Unimed, Henrique foi contratado a peso de ouro. Com propostas para permanecer na Europa, ele abriu mão de um ano de contrato com o Bordeaux. Natural de São Gonçalo, sentiu a necessidade de ficar mais próximo da família depois de quase dez anos na França. Mas a ambição pessoal de conquistar o respeito e a admiração no país de origem motivou ainda mais a decisão do zagueiro de voltar para casa.

TEMPO REAL: Acompanhe, lance a lance, o duelo entre Avaí e Fluminense

O bom momento do Fluminense no Brasileiro não diminuiu o tom das críticas da torcida. A irregularidade de Gum e Antônio Carlos criou brechas para a mudança. Ao lado de Marlon, Henrique passou no primeiro teste na vitória de 1 a 0 sobre o Grêmio. Com apenas 16 partidas disputadas neste ano, Henrique quer bem mais.

VEJA MAIS: Confira a tabela e classificação do Campeonato Brasileiro

“Tenho feito bons treinos sob o comando de Enderson (Moreira). Ele tem uma visão diferente em relação a alguns técnicos que trabalham no Brasil e usa todo o grupo, procurando dar rodagem a todos. A temporada no Brasil é longa e todos precisam de ritmo. Ele tinha me dado uma oportunidade, fui bem e tive outra. Espero ter uma sequência boa para recuperar o ritmo. Espero estar pronto para chegar ao nível que posso alcançar”, disse Henrique.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

A duas rodadas do fim do turno, a permanência no G-4 do Campeonato Brasileiro é fundamental para o Tricolor. Na briga pelo título, a equipe quer conciliar com sucesso o ímpeto e a ousadia de jovens como Marlon, Gustavo Scarpa e Marcos Junior com a bagagem de Cavalieri, Henrique, Ronaldinho e Fred para não perder o fôlego no returno.

Sacrifício em 2014 agravou uma lesão no joelho

As dores no joelho direito incomodavam Henrique desde julho de 2014. Quando Gum sofreu uma fratura na perna esquerda, no mês seguinte, ele assumiu o compromisso com Cristóvão Borges de jogar enquanto suportasse.

Henrique mira reconhecimento no Brasil e sonha com a LibertadoresMárcio Mercante / Agência O Dia

Nesse período, Marlon foi promovido de Xerém e Guilherme Mattis, contratado. O sacrifício de Henrique resultou numa lesão no menisco medial do joelho. Após a artroscopia, ele perdeu a vaga, espaço e teve que recomeçar.

'Sonho com a Libertadores'

Como você avalia sua atual fase?

Vivo um bom momento. Iniciei o ano sem uma pré-temporada, em razão do tempo que fiquei parado para me recuperar de uma artroscopia. Mas trabalhei fortemente, buscando o ritmo em treinos e jogos e tive uma boa sequência no Carioca. Espero ter uma nova sequência.

Você joga com alguma limitação física?

Quem me acompanhou em 2014 sabe que joguei com muita dor no joelho, nas costas. A realidade é que 99% dos jogadores de alto rendimento convivem com a dor. O tempo de recuperação é curto, mas temos o auxílio de profissionais para superar as adversidades.

De ídolo na França, você chegou a perder muito espaço aqui. Chegou a se arrepender de voltar para o Brasil?

Claro que, quando as coisas não funcionam, pensamos se a decisão de voltar foi correta. Sempre pinta sondagem, principalmente da França. Nos momentos difíceis, minha família sempre esteve comigo, meu procurador (Eduardo Uram). Eles pediram paciência. Acho que cumpri a minha missão lá fora. Quero reconhecimento no Brasil. Sonho com a Libertadores.