Por fabio.klotz

Rio - Sem tempo a perder, Eduardo Baptista arregaçou as mangas no primeiro dia de trabalho como técnico do Fluminense. Durante 1h30, ele teve a privacidade do treino fechado à imprensa na Escola de Educação Física do Exército, na Urca, para armar a equipe para o confronto com a Ponte Preta, neste sábado, às 21h, no Moisés Lucarelli. A condição de lanterna do returno do Brasileiro não abala a ambição do treinador de recolocar o Tricolor na briga pelo G-4. Com paciência, inclusive com o contestado Ronaldinho, que pode ser uma das novidades da equipe.

Eduardo Baptista conversa com Diego Cavalieri%3A técnico do Fluminense estreia contra a Ponte PretaBruno de Lima / Agência O Dia

Escolha pelo Fluminense

“O Fluminense tem uma filosofia muito parecida com a maneira que vejo o futebol. Quando tracei meu plano de carreira, sempre pensei no Fluminense. O clube tem o planejamento de ter uma base forte, de ter equilíbrio, uma paciência com os meninos. Senti que estava chegando no fim no Sport. Vim para o Rio para jogar contra o Vasco e recebi um telefonema do Peter (Siemsen). Eu me senti à vontade. O presidente me deu confiança para assumir o desafio. Estou feliz e honrado com essa oportunidade.”

Como um prato de comida

“O Fluminense é meu prato de comida. Deixei uma certa estabilidade no Recife por uma coisa que eu acho que é a oportunidade da minha vida. Minha vida é marcada por alguns desafios, e esse talvez seja o maior. Deixei minha família no Recife e vim para cá sozinho para me entregar 24 horas. Peço a Deus que seja justo com os atletas para que tudo aconteça bem.”

Emocional do grupo

“Não sou um cara de rede social, mas acabo escutando algumas coisas. Quando cheguei, encontrei uma equipe equilibrada, preocupada em mudar essa situação. Jogadores jovens motivados. Os mais velhos motivados também e tentando dar apoio aos jovens. O que encontrei aqui me deixa bastante tranquilo.”

Mudanças na equipe

“Quero fazer é justiça. Quem apresentar melhor desempenho jogará. Começa zerado. Não vou querer mexer muito na equipe que o Enderson (Moreira) deixou agora. Todos terão chance de jogar. É o jogador que se escala, com postura. Dentro do campo são todos homens. Vai jogar quem mostrar que realmente merece.”

Queda no returno

“Fred é um líder positivo. Conversei com todo o grupo e depois individualmente com cada atleta. Falamos a respeito de confiança, de equilíbrio, de paciência. A vontade de fazer as coisas acontecerem está sendo muito rápida. Tem que ter paciência, resgatar a confiança dos meninos. Não vi nada de grupo rachado.”

Medo de demissão

“Estou em uma profissão em que a única garantia é o resultado. Não pedi nenhuma garantia ao presidente. Pedi condições de trabalho. Tenho jogadores de muita qualidade, uma equipe que bateu a vice-liderança do Brasileiro. Larguei um projeto muito grande no Recife para outro em que acreditei.”

Ronaldinho Gaúcho

“Não relaciono sua contratação com a queda de rendimento da equipe, pois Ronaldo pouco jogou. Ele vinha de um período parado, está sem ritmo, mas tem se esforçado e trabalhado para adquirir essa forma. Ele se mostrou solícito. Quando tiver condições, será titular.”

Você pode gostar