Desafios para Marcão e o Fluminense

Auxiliar tem missão de comandar o Tricolor, que precisa derrotar o embalado Friburguense na fria noite serrana

Por O Dia

Rio - A baixa temperatura prevista para a noite desta quarta-feira, em Nova Friburgo, não será capaz de esfriar o coração de Marcão. Pela primeira vez, o auxiliar irá comandar o Fluminense, sua grande paixão e clube que defendeu por oito anos e 397 jogos. A necessidade de vitória sobre o Friburguense torna o duelo, às 21h45, no Estádio Eduardo Guinle, ainda mais especial para o ex-volante, conhecido por nunca fugir de desafios.

“Se a coisa estivesse boa, o Marcão não estaria aqui”, disse o interino, com bom-humor, mas mostrando estar por dentro da crise vivida pelo clube.

A situação é realmente complicada. Após um péssimo início de temporada, a demissão de Eduardo Baptista e as mudanças no departamento de futebol, o Flu corre o risco de ser eliminado do modesto Carioca, campeonato do qual cogitou não disputar, na primeira fase. Para não depender de ninguém, é preciso vencer as duas partidas que restam.

Marcão vai comandar o Fluminense no jogo contra o FriburguenseNelson Perez / Fluminense F.C. / Divulgação

Para piorar as coisas, o capitão e artilheiro Fred está lesionado e só voltará ao time em três semanas. Nada que assuste um ex-jogador que chegou quando o Fluminense enfrentava o pior fase da sua história, na Terceira Divisão do Brasileiro.

“No Fluminense, a cobrança é diária. No momento que a gente olha a tabela, nosso time na zona de classificação, mas com risco, é incômodo. Estamos todos preocupados. Vamos para uma decisão e tenho certeza que faremos o melhor. Está na hora de o Fluminense entrar no Carioca de verdade”, afirmou Marcão.

Apesar do verão, a previsão é de apenas 15 graus para a hora do jogo. Para o comandante tricolor, entretanto, isso não será problema. Com o coração e a alma aquecidos pelo amor ao Tricolor, o único frio será o da ansiedade, costumeiro nas estreias.

“Aquele frio na barriga que tinha como jogador está voltando. Isso é bom. Quero fazer esse momento, que é de responsabilidade, especial. E de vitória. Futuro? Eu amo o clube, sou funcionário e estou preparado, mas depois veremos. Me sinto preparado e à vontade para fazer as escolhas e preparar o time”, analisou Marcão, esbanjando confiança.

Com chances de classificação, o Friburguense chega animado depois de arrancar um empate com o Vasco, em São Januário. Ingredientes não faltam para que a noite, dentro de campo, seja quente.

Torcida apoia e Cuca vira o favorito

Os gritos da torcida na derrota para o Botafogo, no Espírito Santo, ecoaram nas Laranjeiras e o nome de Cuca tornou-se o favorito da diretoria para assumir o time. O técnico, que antes não cogitava voltar ao trabalho antes de abril, já aceita retornar ao batente imediatamente e as negociações foram iniciadas.

O novo diretor executivo de futebol, Jorge Macedo, está à frente das conversas e a expectativa é que aconteça uma definição até o fim da semana.

Após a passagem heroica em 2009, quando livrou o Fluminense do rebaixamento, Cuca virou queridinho da torcida e está animado com a possibilidade de retorno.

O único empecilho pode ser a parte financeira, já que o treinador foi para a China valorizado pelo título da Libertadores com o Atlético-MG, em 2013.

Marlon está de volta à zaga

Assim que encerrou o treino, na manhã de ontem, nas Laranjeiras, Marcão chamou Marlon para uma conversa em particular. O interino, que promoverá o retorno do zagueiro ao time titular, na vaga de Renato Chaves, confia na dupla que ele formará com Henrique.

“Acredito que Marlon, ao jogar com Henrique, tem chance de fazer uma dupla perfeita. Temos de corrigir alguns erros, e, por isso, o chamei”, revelou Marcão.

Além desta mudança, a equipe terá outras duas trocas em relação ao jogo contra o Botafogo. Giovanni reassume a lateral-esquerda (Scarpa retorna ao meio-campo) e Edson entra na vaga de Douglas. Sem Fred, Diego Souza atuará avançado.