Sem vencer há sete jogos, Fluminense quer afastar a má fase contra a Ponte Preta

Com 2% de chances de classificação à Libertadores, Tricolor quer surpreender e fechar o Brasileiro no G-6. Só a vitória interessa no domingo

Por O Dia

Rio - Com 1% de chance de se livrar do rebaixamento em 2009, o Fluminense reverteu as estatísticas e permaneceu na Série A. No atual Campeonato Brasileiro, o Tricolor, que não vence há sete jogos e tem apenas 2% de chances de se classificar à Libertadores, segundo o site Infobola, quer provar novamente que é mais forte que os números. Mas, para isso, precisa vencer a Ponte Preta, neste domingo, no Moisés Lucarelli, às 17h.

Marcão mostrou confiança na vaga, apesar de o time enfrentar jejum de sete jogos sem vencerNelson Perez/ Fluminense F.C. / Divulgação

Em nono lugar e a três pontos do G-6, o Fluminense praticamente dá adeus à vaga caso não vença a partida em Campinas. O técnico Marcão, no entanto, acredita na classificação, mesmo na atual fase da equipe. “Hoje a gente tem apenas 2% de chances, mas os jogadores estão querendo muito. Acredito que eles vão brigar até o fim. Enquanto tivermos chances, eles vão se dedicar ao máximo. Não dá pra mudar muito a estrutura do time, mas deve, sim, haver algumas mudanças. É um jogo difícil, duro, fora de casa, mas o nosso objetivo é buscar a vitória”, afirmou.

Marcão confia na qualidade do elenco: “O Fluminense é time grande e a gente está trabalhando. Já mostramos ter qualidade. O campeonato é difícil. Tivemos irregularidade. Acredito que o grupo mereça pelo compromisso que temos com o clube e com o nosso torcedor”.

Apesar de ter só um jogo no comando do Tricolor — estreou no empate de 1 a 1 com o Atlético-PR —, Marcão acompanhou de perto o início da sequência negativa da equipe, que não vence desde a vitória sobre o Sport (3 a 1), no início de outubro. Para o treinador, a chave para voltar ao bom momento é o equilíbrio dentro de campo.

“É compromisso de todos. A entrega tem que ser maior, a ajuda tem que ser dobrada. Com a ajuda de todos, o time fica mais forte. Vamos encurtar as linhas e, com isso, nosso time fica difícil de ser batido”, analisou Marcão.