Abad afirma que Richarlison pediu para não encarar o Palmeiras e detona jogador

Atacante do Flu recebeu sondagem do clube paulista nesta semana

Por O Dia

Rio - O interesse do Palmeiras em Richarlison caiu como uma bomba nas Laranjeiras. O atacante pediu para não viajar para São Paulo, onde o Fluminense enfrenta o Verdão, neste sábado. A atitude irritou o presidente do clube, Pedro Abad, que fez duras críticas ao jogador e ao clube paulista, em entrevista à ESPN Brasil.

Richarlison pediu para não enfrentar o PalmeirasLucas Merçon / Fluminense/ Divulgação

"Richarlison não quis viajar para o jogo, solicitou que não fosse relacionado por não estar com cabeça para fazer o que sabe, jogar futebol. Nós recebemos proposta pelo Richarlison em nome do Palmeiras, e havíamos combinado que no sábado conversaríamos como fosse necessário, e hoje de manhã fui surpreendido com esse absurdo. Naturalmente é absurdo o pedido do jogador. Não sei quem influenciou, mas é um atleta que é de grupo, que se empenha, tem uma boa cabeça, mas sem dúvida nenhuma foi influenciado por alguém. Muito estranho, logo na semana do confronto entre os dois clubes. Ele é um jogador muito querido pelo elenco e pelo torcedor", declarou Abad.

O presidente do Fluminense descartou qualquer tipo de negociação com o clube paulista, devido a forma como foi feita a abortagem. Abad ressaltou que o Tricolor e o Verdão se enfrentam nesta semana.

"O que o Fluminense pensa é que não foi feito da forma correta. Nós encerramos qualquer negociação nesse sentido. Na semana do jogo aparecer uma proposta assim, a gente fica com o pé atrás sobre o que está acontecendo. Se ele tiver propostas de clubes europeus, iremos analisar. Não podemos descartar clubes brasileiros, principalmente se as coisas forem feitas corretamente, o que não aconteceu dessa vez. Quem se propõe a entrar no mercado do futebol não pode recusar proposta. Tem que ouvir, analisar e ver o caso de dizer sim. Sábado eu falaria disso, por respeito ao jogo. Dizer que é certo o que o Richarlison não vai jogar, não é. Vamos ver como lidamos, como vamos tratar essa situação", disse.