Scarpa recupera o prestígio no Fluminense

Elogiado por Abel após boa atuação na vitória sobre a LDU, meia volta a crescer com nova postura dentro de campo

Por O Dia

Rio - Se a magra vitória por 1 a 0 sobre a LDU não empolgou a torcida, serviu para trazer esperança de dias melhores para Gustavo Scarpa. Ainda convivendo com altos e baixos desde que retornou após três meses parado, o camisa 10 tricolor teve uma atuação digna de elogios de Abel Braga. Não apenas pelo gol. A maior participação no ataque dá confiança ao apoiador, que tende a crescer com a nova postura em campo.

Alegria de volta: Gustavo Scarpa fez o gol e teve atuação elogiada na vitória do Tricolor sobre a LDUNelson Perez/ Fluminense F.C. / Divulgação

O motivo da mudança tem a ver com o retorno de Douglas. Com o volante e Wendel, a saída de bola tricolor melhorou e Scarpa não precisou ir até a defesa para buscar a bola. Recebia já do meio para a frente, o que diminuiu o desgaste físico e lhe deu mais liberdade em campo. "Scarpa conseguiu fazer o que não vinha fazendo sem o Douglas. Apertavam a marcação nele e a bola não saia bem de trás. Ele apareceu mais porque não teve que ir pegar a bola do zagueiro. Tenho procurado usar o Scarpa sem o desgastar muito. E ele estava mais inteiro", explicou Abel.

Sem fugir da responsabilidade, Scarpa nunca deixou de admitir que ainda estava devendo. Ainda assim, não desistiu de tentar as jogadas, que muitas vezes não deram certo e geraram vaias em alguns jogos. Com a atuação contra a LDU, o apoiador espera ter deixado de vez para trás a irregularidade que o acompanha desde que retornou aos gramados, em maio. "Passo por um momento complicado, não conseguindo desempenhar o meu melhor, mas fico feliz porque nunca deixo de tentar. Óbvio que a equipe não depende só de mim, mas como camisa dez tenho uma grande responsabilidade. Eu estava precisando desse jogo bem jogado para pegar mais confiança", afirmou o apoiador.

Demissão no clube

Em nota, o Fluminense confirmou a demissão de uma funcionária e advertência à diretora do departamento jurídico pela falha no processo movido por Levir Culpi contra o clube. Nenhum advogado tricolor compareceu à audiência em que o técnico cobra R$ 2,8 milhões, o que configurou confissão de culpa.