Por pedro.logato

Rio - Uma legião de jornalistas parou o que estava fazendo para vê-lo jogar. Câmeras o seguiram por toda parte, fãs e até atletas quiseram tirar fotos. Por onde passou, o tatuado provocou alvoroço. Poderia ser Neymar, mas era Lin Dan. Bicampeão olímpico e penta mundial, o chinês foi a principal atração do evento-teste de badminton, que começou terça-feira e vai até sábado no Riocentro, na Barra.

Lin Dan é uma estrela do BadmintonPedro Martins/BWF

Maior astro do badminton, Lin Dan foi responsável por levar mais jornalistas e fotógrafos chineses do que brasileiros ao primeiro dia de competição: eram mais de 20. Após a coletiva dele, os compatriotas foram embora sem se preocupar com os jogos de outros chineses.

A cena pode parecer surreal, mas o badminton, para a China, é como o futebol para nós. E Lin Dan é o maior ídolo do esporte. “O Lin Dan não consegue andar na rua, é sensacional. É o Neymar dos chineses, é impressionante. O cara é uma lenda”, diz o brasileiro Daniel Paiola, que busca uma vaga na Olimpíada.

Apesar de toda a idolatria que provoca em seu país, Lin Dan não gosta de falar sobre isso. “Não me acho especial, sou uma pessoa normal”, disse o jogador. E falou sobre o evento: “Essa é uma viagem especial porque nunca tinha jogado no Rio, é bom para conhecer o local da competição.”

PROBLEMAS COM O VENTO

O pavilhão 4 do Riocentro foi alvo de reclamações dos atletas. A prática do badminton exige uma localização sem vento e isso não ocorreu. “Está ventando muito e a peteca fica lenta. Atrapalha a velocidade do jogo e fica ruim para todo mundo. Diminuíram o ar-condicionado, mas não adiantou”, queixou-se a atleta b

Você pode gostar