Instituto Reação luta para conseguir patrocinadores

Organização quer manter uma estrutura capaz de formar cidadãos através do esporte

Por O Dia

Rio - O Reação é hoje umas das referências em projetos sócio-educativos no Brasil. Atendendo a pouco mais de mil jovens, o instituto trabalha com mais de um orçamento possível por ano. No melhor dos cenários, o valor necessário para realizar todas as ações gira em torno de R$ 5 milhões. Porém, nem sempre a meta é alcançada.

A ex-campeã do UFC%2C Ronda Rousey ajudou a divulgar o trabalho do Reação ao lado do judoca Flávio CantoDivulgação

“Nós tentamos não fazer cortes, mas, em anos complicados, isso acontece. Não podemos deixar de dar aula. Por isso que varia bastante o valor do orçamento. Existe uma grande diferença entre o nosso programa de alto rendimento e o de educação. O incentivo ao alto rendimento exige um valor maior, porque a cobrança é por resultado. É um tipo diferente de foco”, afirma Joana Miraglia, gerente-executiva do Reação.

Na captação de recursos e parcerias, o Reação define faixas de patrocínios. São cinco: verde, laranja, roxa, marrom e preta. Na última estão os apoiadores com maior valor de verba direta anual.

“Em 2016, nosso principal parceiro é Oscar Iskin (empresa de material hospitalar). A IBM é uma parceira financeira e apoiadora. Além de R$ 600 mil de incentivo, ajudou a criar um programa de monitoramento dos cinco pólos. E também tem a Universidade Estácio de Sá, que nos oferece bolsas de estudos integrais, além de padrinhos que custeiam mensalidades escolares para alunos que se destacam”, conclui Joana.

Flávio Canto é o fundador e idealizador do Instituo Reação%2C criado em 2003%2C na RocinhaDivulgação

DUPLA É A ESPERANÇA

Filhos ilustres do Reação, Rafaela Silva e Victor Penalber são esperanças de medalha na Olimpíada. A melhor situação é de Rafaela. Após conquistar a medalha de ouro na última etapa do Grand Prix de judô, na Geórgia, somou 300 pontos e agora figura entre as oito primeiras do ranking mundial. Ela briga para ser uma das cabeças de chave na categoria até 57 kg.

Já Penalber é uma das esperanças masculinas na categoria até 81 kg. Entre os dias 29 deste mês e 1º de maio, a dupla representará o Brasil no Pan-Americano de judô, em Havana, Cuba.


Últimas de _legado_Olimpíada