Por bianca.lobianco

Rio - O que faz a Chama Olímpica quando não está no revezamento? Descansa, em um quarto de hotel, com os chamados guardiões que devem deixar o fogo sempre aceso. Foi assim em 95 cidades pelo país. Nesta madrugada, ela teve o seu último pernoite, dividida em lamparinas em dois hotéis na Lapa. Às 20h, após passar por pontos turísticos do Rio, chegará ao seu destino final: o estádio do Maracanã para dar início aos Jogos.

Em sua passagem pelo Estado do Rio, a Chama esteve em 21 unidades e passou o pernoite em dez — alguns com melhores acomodações do que o quatro estrelas da Zona Norte onde a maior estrela do atletismo Usain Bolt ficou, antes de ir para a Vila dos Atletas.

Sua primeira hospedagem foi na Costa Verde. Com status digno de celebridade, ela entrou ligeira pelo hall do resort Golden Tulip, em Angra dos Reis. “Estava cheia de seguranças, e foi tão rápido para a suíte que não deu tempo para pedir uma foto”, lamentou a funcionária da recepção, que não quis se identificar.
A suíte, chamada master, tem 80 metros quadrados, com vista total para o mar paradisíaco da cidade. Sua diária para o público custa R$ 777, mas o Ministério da Justiça, responsável pelo pagamento, conseguiu reduzir o preço, através de um contrato sigiloso.

Debilitado%2C Zagallo fez o trajeto%2C na Barra%2C em uma cadeira de rodas e com a Tocha presa por um suporte. Foi muito incentivado no percursoDivulgação

O descanso foi merecido. Momentos antes, a Chama sofreu o que o coronel Francisco Cantarelli, chefe de segurança da Força Nacional para o revezamento, descreveu para a reportagem como o “pior momento da jornada no Brasil”. Um grupo de moradores, descontentes com o desemprego na cidade, fez um protesto que interrompeu o comboio. Pela primeira vez em solo fluminense, seu desfile terminou com bombas de gás e tiros de borracha de policiais do Batalhão de Choque.

“A festa na praça da cidade foi cancelada. Pessoas tacaram pedra na gente e em viaturas. Foi um momento que não valeu o custo-benefício do evento”, disse Cantarelli.

Em Petrópolis, a hospedagem foi na suíte presidencial do Grand Hotel, no centro da cidade. A construção data de 1930 e é tombada pelo patrimônio histórico. “Todo o hotel foi fechado para a comitiva. A suíte conta com duas camas king size e tem varanda de ponta a ponta, com vista para o Museu Imperial”, contou a gerente-geral, Bianca Araújo.

Após o revezamento, que normalmente dura 12 horas, o fogo da Tocha é guardado em lamparinas. Ele é da mesma chama acesa em Olímpia, na Grécia, com a utilização de um espelho parabólico. Sete guardiões são os responsáveis por deixar o fogo sempre aceso. São nove lamparinas no total. Apenas cinco são acesas ao mesmo tempo.

Criança levou 15 pontos
Uma criança de 10 anos levou 15 pontos na perna direita após ser atingida por uma bala de borracha durante uma confusão pouco antes da passagem da tocha em Duque de Caxias, segundo o site ‘Conecta Baixada’. A mãe e uma tia da menina lamentaram o sofrimento da menina.

No Rio a tocha foi conduzida de prancha de surfe na Praia da Macumba e em roda de capoeira. Foi emocionante ver Zagallo, 84 anos, ex-técnico e ex-jogador da Seleção e do Botafogo conduzir. Na Barra, ele recebeu a chama do ex-auxiliar Carlos Alberto Parreira e fez o trajeto de cadeira de rodas. Em Campo Grande, professores e profissionais da saúde protestaram.

HOJE - Revezamento inicia no Cristo

Hoje, às 7h, no Cristo Redentor, a Tocha será acesa pelo cardeal Dom Orani Tempesta. O símbolo circulará por Botafogo, Humaitá, Jardim Botânico, São Conrado, Leblon, Ipanema, Copacabana, Urca, Pão de Açúcar, Botafogo, Flamengo, Catete, Glória e Lapa. À noite, acende a Pira no Maracanã. “Participar do ato é mostrar o apreço dos católicos pelo esporte. É fazer eco à mensagem do Papa Francisco, que afirmou ser momento para o congraçamento entre as nações”, disse Dom Orani.



Você pode gostar