Por pedro.logato

Rio - Sobre das suecas, que terão como inimiga íntima, às 22h, no Engenhão, a melhor jogadora de todos os tempos. Depois de oito anos atuando no futebol do país nórdico, Marta conhece os caminhos que podem levar o Brasil a uma vitória que praticamente garantirá a Seleção nas quartas de final do torneio de futebol feminino dos Jogos do Rio.

A estreia triunfal, com o placar de 3 a 0 sobre a China, criou um clima de otimismo entre as meninas. A pressão, que já era grande, aumentou, mas elas mostraram estar bem preparadas para encarar o peso de jogar em casa.

Marta vai comandar o Brasil rumo à medalha de ouro na OlimpíadaMárcio Mercante / Agência O Dia

Na segunda passagem pelo futebol sueco, Marta é a grande arma da Seleção comandada por Vadão para garantir outra vitória e assumir a liderança isolada do Grupo A. Se depender da camisa 10, o Brasil desvendará todos os segredos das adversárias e anulará seus pontos fortes.

“É uma equipe qualificada, fisicamente muito agressiva, e que costuma explorar os contra-ataques. É veloz no ataque e muito forte na bola parada. Então, são vários fatores que temos de estar atentas para não sermos surpreendidas”, disse Marta.

LEIA MAIS: Notícias, programação e quadro de medalhas da Olimpíada do Rio

As duas equipes venceram na estreia e dividem a liderança do Grupo A — o Brasil leva vantagem no saldo de gols. A seu favor, as meninas brasileiras terão o apoio da torcida, que fez a diferença na estreia, ao empurrar o time para o ataque e até ter paciência para não criticar, enquanto a Seleção sofria para furar a retranca chinesa.

“É espetacular. Nossa 12ª jogadora dá uma motivação a mais. Quando ela começa a gritar, sentimos uma energia que faz a gente correr mais ainda”, afirmou Marta. Antes do jogo entre Brasil e Suécia, África do Sul e China fazem a preliminar.

Você pode gostar