Por sarah.borborema

Rio - Brasil e Suécia, que estrearam com vitória nos Jogos Olímpicos do Rio, se preparam para o duelo que pode encaminhar a classificação de uma das equipes, componentes do Grupo E. As rivais pretendem explorar o conhecimento da craque Marta para levar a melhor em campo - a capitã de Vadão está há 10 anos atuando na Suécia. A técnica Pia Sundhage reconhece que a 'intimidade' com a jogadora é uma arma, mas garante que esse não é o suficiente para segurar Marta.

Técnica pede que suecas aproveitem a oportunidade de jogar na casa das brasileirasEfe

"Ninguém sabe exatamente como parar a Marta, mas já jogamos várias vezes contra ela. A Marta está na Suécia há muito tempo, e isso é uma vantagem grande. Mas não podemos deixar uma jogadora para segurá-la, e sim fazer nosso time todo segurar o Brasil", disse.

As duas equipes são fortes candidatas ao ouro, e o duelo pode antecipar a classificação de uma das componentes do Grupo E, que ainda conta com China e África do Sul. Pia Sundhage afasta a pressão pela primeira colocação e pede que as suecas aproveitem a oportunidade.

"Somos humildes o suficiente para saber que precisamos apenas jogar bem. Aí podemos ganhar um ponto ou vencer. Não queremos pensar agora na primeira colocação do grupo. Temos que aproveitar essa chance única de enfrentar o Brasil em casa numa Olimpíada. O importante é desfrutar desse momento".

Brasil e Suécia se enfrentam neste sábado, às 22h, no Engenhão.

Você pode gostar