Por fabio.klotz

Rio - A bola vai subir para a seleção brasileira feminina de basquete. O Brasil estreia na Olimpíada, neste sábado, às 17h30, na Arena da Juventude, em Deodoro. O primeiro passo na caminhada em busca de uma medalha será contra uma pedreira: a Austrália, medalha de bronze em Londres, em 2012, e que nunca perdeu para a Seleção em seis encontros em Olimpíadas.

Seleção feminina encara a Austrália na estreia na OlimpíadaGaspar Nóbrega / Divulgação FIBA

O retrospecto ruim e o poderio do rival não abalam a confiança do técnico Antonio Carlos Barbosa. Ele destaca o ponto positivo de encarar um rival de peso logo na estreia na Olimpíada.

LEIA MAIS: Recheada de astros da NBA, equipe dos EUA é o centro das atenções

"Há duas maneiras de você enxergar o jogo contra a Austrália. O retrospecto é totalmente negativo, a conquista de uma medalha da seleção australiana é dada praticamente como certa, mas não vejo muito assim. É melhor você sair jogando na estreia com aquela equipe que você avalia como uma possível derrota do que jogar com ela no fim, tendo de vencer para garantir a classificação à próxima fase. Jogar contra a Austrália é bom por um lado, você quebra o gelo da competição, prepara a equipe para os outros confrontos. Então acho que não é ruim", declarou Barbosa, ao site da CBB.

LEIA MAIS: COB traça objetivo para o Brasil na Olimpíada do Rio

O Brasil está no Grupo A da Olimpíada. Além da Austrália, vai enfrentar o Japão (segunda-feira, às 17h30), Bielorrússia (terça, às 15h30), França (quinta, às 15h30), Turquia (sábado, às 15h30).

Você pode gostar