Japonês é o rei da ginástica artística

Kohei Uchimura conquistou o bicampeonato na Olimpíada

Por O Dia

Rio - Se atualmente a americana Simone Biles é a rainha absoluta da ginástica artística, o rei, sem dúvida, é um japonês que desafia o tempo e o espaço voando alto em busca da perfeição no esporte. Kohei Uchimura, cujo primeiro nome significa voo perfeito, foi alçado novamente ao Olimpo dos Deuses ao conquistar o bicampeonato na prova individual geral, ontem à tarde. O ucraniano Oleg Verniaiev ficou com a medalha de prata e o britânico Max Whitlock levou o bronze.

Kohei Uchimura se sagrou bicampeãoEfe

Bem atrás, os brasileiros Sérgio Sasaki e Arthur Nory, em nono e 17º respectivamente, foram apenas coadjuvantes de ‘King Kohei’, que agora é dono de seis medalhas olímpicas e nada menos do que 19 pódios em Mundiais. Mas, por pouco, o trono japonês não foi abaixo.

LEIA MAIS: Notícias, programação e quadro de medalhas da Olimpíada do Rio

O ucraniano Oleg Verniaiev brilhou e só perdeu o primeiro lugar na última nota, num duelo de muito equilíbrio. Uma exibição que parecia das melhores na barra fixa, mas que, surpreendentemente, não agradou aos árbitros, que lhe deram uma nota baixa, 14.800, o que rendeu vaias no estádio. Foi por uma filigrana do destino — 92,365 a 92,266, que Uchimura manteve o reinado e a incrível invencibilidade de sete anos em competições individuais.

“De 2009 até agora, esse título tem sido mantido por mim. Mas, desta vez, foi realmente a mais difícil. Achei que estivesse próximo de admitir que seria difícil ganhar a medalha”, afirmou logo após a conquista.

Uma pergunta, no entanto, o deixou com cara de poucos amigos. Ao ouvir a insinuação de que contaria com a simpatia da arbitragem, Uchimura reagiu: “Você quer dizer que os juízes estavam ao meu favor? De forma alguma, isso jamais aconteceria. Não existe isso de juízes terem simpatia por um ou outro atleta.”

O japonês destacou o enorme esforço que todos fazem ao longo dos quatro anos do ciclo olímpico: “Nós fazemos o nosso melhor. Somos seres humanos, temos sentimentos. Mas são juízes profissionais e não há espaço para viés pessoal. Isso não pode entrar no julgamento.”

No domingo, Uchimura espera conquistar a sua terceira medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, na final do solo. Mas, para isso, terá que superar alguém que conhece como poucos os seus segredos, um inimigo íntimo, o compatriota Kenzo Shirai. Isso sem falar dos brasileiros Diego Hypolito e Arthur Nory , que prometem fazer de tudo para não ficar somente reverenciando o rei oriental.

Últimas de _legado_Olimpíada