Por pedro.logato

Rio - Com mais um recorde mundial de Katie Ledecky e Michael Phelps perdendo pela primeira vez no Rio, o penúltimo dia da natação na Olimpíada foi tão animada que houve até mesmo um empate triplo na prova dos 100m borboleta, entre o americano, Chad le Clos e Laszlo Cseh. Os três subiram no segundo lugar no pódio, em um raro momento da história. Para os brasileiros, mais uma decepção. Esperança de medalha, Bruno Fratus só conseguiu o sexto lugar nos 50m livre. Já Etiene Medeiros foi a alegria da noite e se garantiu na final dos 50m livre feminino.

Na primeira final da noite, Maya Dirado (2min05s99) conquistou o ouro nos 200m costas em cima de Katinka Hosszu. A chegada da prova foi espetacular, com a americana ultrapassando a húngara praticamente na batida de mão. O bronze ficou com a canadense Hilary Caldwell.

Na sequência, enfim alguém conseguiu desbancar Michael Phelps na Rio-2016. Joseh Schooling, de Cingapura, bateu o recorde olímpico dos 100m borboleta (50s39) e conquistou o ouro. O americano, que ficou todo o tempo atrás, recuperou-se nos metros finais e chegou em segundo, num surpreendente empate triplo, com o rival sul-africano Chad le Clos e o húngaro Laszlo Cseh. Os três andadores se divertiram com o fato e fizeram questão de subir juntos e de mãos dadas no pódio.

Se alguém bateu Phelps, não se pode dizer o mesmo de Katie Ledecky. A americana de 19 anos segue assombrando a natação. Desta vez, nos 800m livre, ela sobrou entre as competidoras e estraçalhou o seu próprio recorde mundial. De 8min06s68 ela baixou para incríveis 8min04s79 e chegou quase 12 segundo à frente da britânica Jazz Carlin, a segunda. A húngara Boglarka Kapas completou o pódio. Foi o quarto ouro de Ledecky no Rio (ela também conquistou uma prata), e ainda assim ela se emocionou no pódio.

Na prova mais esperada para os brasileiros, os 50m livre, Bruno Fratus teve seu nome gritado por boa parte do estádio antes da largada, mas não teve sorte melhor que os outros companheiros que passaram pela piscina. Se ele tinha reclamado de seu tempo para chegar à final (21s71), não ficou satisfeito por ter piorado. Com 21s79, Fratus ficou em sexto lugar. O ouro ficou com o americano Anthony Ervin (21s40), seguido pelo francês Florent Manaudou e pelo também americano, Nathan Adrian.

“Foi bem ruim. Não consigo nadar mais rápido do que isso. Não faço ideia do que está acontecendo. Esse ano tem sido muito ruim. Tem que rever o programa”, disse Fratus, que em Londres-2012 tinha ficado em quarto lugar.

Com o resultado, a natação brasileira tem enormes chances de terminar a Olimpíada em casa sem medalha alguma. Apesar de ter alcançado o maior número de finais (oito), superando Pequim (seis, com um ouro de César Cielo), os resultados estão aquém do esperado.

Faltavam as mulheres caírem na água para as semifinais dos 50m livre. Etiene Medeiros fez bonito e bateu o recorde sul-americano da prova. Com o terceiro lugar em sua série, ela garantiu um lugar na final com o sétimo melhor tempo (24s45).

Você pode gostar