Por rafael.arantes

Rio - O Caldeirão será um barril de pólvora pronto para explodir junto com a crise que assola o Vasco. Muros pichados na madrugada de ontem com ataques ao presidente Roberto, treino deslocado para a Barra da Tijuca para evitar atrito com a torcida e perseguição ao goleiro Diogo Silva, que o fizera perder a titularidade, além de salários atrasados. Esses ingredientes transformam o jogo contra o Vitória, nesta quarta, às 19h30, em São Januário, num duelo tenso e de alto risco.

Com o quarto pior aproveitamento em casa (três vitórias, quatro empates e quatro derrotas), o Vasco tem mudanças importantes, com o objetivo de abandonar a 17ª posição, com 24 pontos, e poder colocar a cabeça para fora da zona de degola.

Vasco quer se livrar do caos no BrasileiroMárcio Mercante / Agência O Dia

As duas derrotas consecutivas, para Portuguesa e São Paulo, causaram reflexos na equipe e levaram Dorival Júnior a promover a dança das cadeiras. Com problema físico, o zagueiro Jomar deve dar lugar a Rafael Vaz, Wendel volta ao time titular, enquanto Dakson substitui Willie, emprestado pelo time baiano. A principal mudança, no entanto, está no gol. Michel Alves volta à equipe, em substituição a Diogo Silva.

“É uma questão técnica. Estou alterando tecnicamente, tentando uma melhora na equipe do Vasco”, analisou o treinador. A intenção de Dorival Júnior é poupar o jovem, que anda sendo muito perseguido pelos vascaínos.

O inferno astral do camisa 25 ficou evidente no treino de ontem, no CFZ, na Barra da Tijuca. Quatro torcedores protestaram soltando rojões e direcionaram xingamentos a Diogo Silva. O goleiro virou alvo após falhar no segundo gol são-paulino. Preocupada, a diretoria já estuda a contratação para 2014 de Martín Silva, goleiro do Olímpia. Atitude extra-campo que tenta amenizar a crise formada e dar satisfação à torcida.

Você pode gostar