Vasco tenta fechar turno com boa impressão

Antes do returno, time encara o Avaí de olho em novo rumo para brilhar de vez na Série B

Por O Dia

Rio - O Vasco tem desperdiçado a chance de ser o líder da Série B. Entretanto, para o Gigante há outras coisas em jogo contra o Avaí neste sábado, às 16h10. Uma vitória no confronto direto no caldeirão — o rival soma um ponto a menos — tem sido vista como um divisor de águas. Um recomeço justamente na última rodada do primeiro turno da competição. De uma vez só, o Gigante seguirá entre os primeiros, vai aumentar a distância para o quinto colocado e, o mais importante, fazer as pazes com o seu torcedor.

Vasco fecha primeira fase da Segundona contra o AvaíDivulgação

A queda de rendimento em campo trouxe novamente a desconfiança para as arquibancadas. Pela Copa do Brasil, no meio de semana, o time deixou o campo vaiado após mais um empate. Mas é a hora da virada. E, para o técnico Adilson Batista, o time está pronto para iniciar um novo rumo na Série B.

“Vejo que é o momento certo de o Vasco impor sua grandeza na competição. É um jogo importante, onde encaramos um adversário direto. Podemos distanciar do quinto colocado e, de quebra, ter de novo tranquilidade para trabalhar. Além da vitória, é fundamental jogar bem e convencer”, afirmou.

Na última rodada do primeiro turno, o que não muda, entretanto, é a dificuldade que Adilson tem para escalar a equipe. Com atletas machucados e outros suspensos, o treinador novamente não poderá repetir o time titular.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

“Em 41 dias atuamos em 12 jogos. Você não está em Portugal, o Brasil é grande e o Vasco é o adversário a ser batido. Por isso, todos se preparam ainda mais para as nossas partidas. Eu gostaria de atuar os 70 jogos do ano com aquela pegada que mostramos contra o Ceará, mas nem sempre é possível”, admitiu o comandante, que acrescentou:

“Precisamos entender o por que disso. Perdemos muito jogadores por causa de lesões e desgastes. Por isso tive de mexer de novo na equipe. A chegada de uma peça também influencia na mudança do sistema. É um contexto e precisamos entender.”