Por fabio.klotz

Rio - Joel Santana estreou com o pé direito, mas, escaldado após décadas dedicadas ao futebol, sabe que precisa de mais para devolver de vez a paz ao Vasco. A tarefa não será fácil. Neste sábado, contra o Atlético-GO, às 16h10, no Mané Garrincha, o time dará início a uma sequência de dois jogos fora de casa na Série B do Campeonato Brasileiro - ficará fora do Rio por quase uma semana. O objetivo é somar seis pontos sem se expor.

Joel Santana conversa com Martín Silva%3A segurança no gol do VascoDivulgação

Antes de pensar em atacar desesperadamente, a ordem é fechar bem a "casinha" - termo usado no futebol que significa não dar espaços aos adversários na defesa e resistir a uma possível pressão do rival. Arrumar o sistema defensivo foi a prioridade de Joel Santana nesta semana. Seja com a bola rolando ou nas cobranças de falta ou escanteio.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

“Eu me preocupo com a defesa porque é ali que começa tudo. Se o time tiver uma defesa forte, você abre 1 a 0 e pode ficar tranquilo até o fim. Se não tiver, o torcedor ficará preocupado mesmo se estiver 2 a 0 a nosso favor. Entendo disso, pois fui zagueiro. É um setor onde os jogadores precisam se entender só no olhar, conversar. É um trabalho árduo, mas preciso”, explicou o comandante.

Antes da preocupação de Joel, Rodrigo e Douglas Silva já dão mostras de entrosamento. Dupla titular que mantém o time com a segunda melhor defesa da Série B, os dois também têm sido importante na frente. Juntos, marcaram sete dos 30 gols do Vasco no Brasileiro, um a menos que a soma de todos os atacantes do grupo.

Para reforçar o sistema defensivo e ajudar a fechar a tal "casinha", o goleiro Martín Silva, que estava com a seleção do Uruguai, volta após três rodadas. O papai Joel não perdeu tempo e trouxe um dos principais jogadores da equipe para seu lado.

“Disse a ele: Meu amigo, o gol é com você, essa terrinha é sua e você tem de cuidar dela. Ele cuida e estamos entendidos (risos). Ter um bom goleiro é 50% de um bom time. E o Martín é um daqueles santos. É diferente daquele cara que tem azar, que a bola bate na trave, nas costas e entra”, afirmou Joel, ciente do que precisa fazer para acabar de vez com a desconfiança em torno de sua volta ao futebol: “Só preciso ganhar jogos.”

Dor de garganta do xodó deixa técnico preocupado

Joel Santana já deixou claro que no Vasco não quer ser apenas um treinador. O espírito paternal o faz ter outros tipos de preocupações. No momento, um pequena inflamação na garganta do jovem lateral-esquerdo Lorran, que atuou bem nos últimos dois jogos e está mantido entre os titulares, tem tirado o sono do comandante.

“Já trabalhei na base e vi muitos atletas surgirem. Eu me preocupo com o jogador jovem, mas também com o homem. Pedi para o doutor dar uma olhada na garganta dele. Perguntei se ele estava melhor e o menino disse que não. Como não está dando certo, pedi para trocar de antibiótico”, revelou Joel.

Tanto receio também tem outro motivo. O treinador gostou da formação com Lorran pela esquerda e Diego Renan no outro lado e não quer mexer em suas peças.

“A gente precisa estar atentos aos detalhes e cuidar de tudo”, completou.

Você pode gostar