Joel se defende e diz que não há divisão

Técnico garante que foi mal interpretado e que nunca falou em grupo rachado em São Januário

Por O Dia

Rio - Com a vaga para a elite do Brasileirão já garantida para 2015, o técnico Joel Santana teve que contornar um mal-estar antes da última partida pela Série B, contra o Avaí, no sábado, em Florianópolis. Sua entrevista de terça-feira ao canal Fox Sports, em que dizia ter encontrado diversos grupos no Vasco, não repercutiu bem. Ontem, o comandante se defendeu e garantiu ter sido mal interpretado.

“Não falei em grupo dividido. Mas qualquer clube tem grupos de jogadores. Ainda assim nunca vi divisão no Vasco. Até os animais tem grupos. Eu, quando saí do Olaria para o Vasco com outros três jogadores, também tinha um grupo. Não sabia que daria tanta repercussão assim. Aqui qualquer copo d’água vira tempestade”, lamentou Joel.

Joel afirmou que grupo cruzmaltino não está rachadoAlessandro Costa

Diretor-executivo de futebol, Rodrigo Caetano também comentou a declaração do treinador, garantindo não haver divisão no clube. “Estou no Vasco desde o começo do ano e posso falar bem. Isso nunca fez parte do nosso grupo. Fica a pergunta: se tivéssemos uma divisão no elenco, vocês não acham que a conduta deles nos momentos de dificuldade financeira não seria de expor a situação para a imprensa?”, ponderou Rodrigo.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

O dirigente disse ainda que é natural que alguns jogadores sejam mais próximos do que outros. “ Uma coisa bem diferente de divisão é afinidade. Cada um tem o seu perfil. O Martin Silva, por exemplo, é mais contido. Tem outros que extravasam mais. Faz parte do perfil de cada um. Os jovens se procuram mais, por exemplo. Não existe divisão”, completou Rodrigo Caetano.

Na entrevista de terça-feira, Joel declarou que encontrou um grupo dividido no Vasco, entre os jogadores mais veteranos, os estrangeiros e os jovens.

CAETANO ESPERA DEFINIÇÃO

Com contrato até o dia 30, o diretor-executivo de futebol Rodrigo Caetano manteve a cautela ao falar de seu futuro e contou não ter sido procurado pela nova diretoria do Vasco.

“Não fui procurado por ninguém. Volto a frisar que também não deveriam, não era obrigação de ninguém. Meu compromisso vai até o dia 30 de novembro. O combinado era até o final da Serie B. Espero que tenhamos transição tranquila. Quero sempre o bem do clube. Só acho importante definir logo. Pelo bem da instituição, que precisa se planejar para a Série A, e também pelo meu lado profissional”, afirmou Rodrigo.