Recém-chegado no Vasco, Dagoberto comemora boa atuação na estreia

Atacante fala de gol e comenta sobre possível desafio no Estadual contra o Flamengo

Por O Dia

Rio - Recém-chegado no Vasco, Dagoberto já tem motivos para sorrir em São Januário. Em sua estreia no último domingo, o atacante marcou gol e ganhou moral no clube. Satisfeito com o resultado, ele comemorou a boa atuação na primeira partida vestindo a camisa cruzmaltina.

"Estou feliz pelo que vem acontecendo nesses poucos dias que estou no Vasco. Foi uma estreia boa. Cheguei há praticamente dez dias, consegui estrear e marcar um dos gols da vitória. A equipe está de parabéns pelo jogo que fez. Eu tinha visto o jogo contra o Fluminense, que o time foi muito bem, bem postado taticamente e fez um belo jogo. Contra o Nova Iguaçu também conseguimos impor o nosso ritmo, mas ainda temos muito trabalho pela frente", afirmou Dagoberto.

Além de chegar com moral no clube, Dagoberto caiu nas graças do torcedor vascaíno: "O torcedor se identifica com alguns jogadores. Quero conquistar meu espaço, ajudar a equipe. A sequência vai falar por si só. Quero fazer história, evoluir a cada jogo e retribuir o carinho da torcida dentro de campo".

Dagoberto comemora estreia pelo VascoDivulgação

De olho no próximo desafio do Campeonato Carioca, contra O Flamengo, neste domingo, às 18h30, no Maracanã, o atacante comentou que já se sente preparado para o duelo com o rival.

"Vale três pontos. Temos que encarar da mesma forma que encaramos os outros jogos. No domingo nós temos a oportunidade de escrever uma história bonita. Estamos preparados. No clássico a motivação é diferente. Fui feliz na maioria dos clássicos que disputei, espero que possa ser aqui também nesse primeiro. Quero contribuir com o meu futebol", ressaltou.

O atacante ainda aproveitou para ressaltar a importância de uma rivalidade sadia: "O clássico é o melhor momento do campeonato. É o mais esperado, é muito gostoso. Muitas vezes nós damos uma ênfase muito maior nisso, que acaba indo para o lado da violência. O que move o ser humano é a rivalidade, mas tem que ser uma coisa saudável, que traz alegria. É só um jogo de futebol, está longe de ser uma guerra".