Novo talismã tem sonho de brilhar na final

Após altos e baixos na Colina, Rafael Silva vira um dos trunfos do Doriva na decisão

Por O Dia

Rio - Ele começou o ano como titular, mas, jogando fora de sua real posição, caiu de produção e perdeu espaço em São Januário. Aos poucos, o meia-atacante Rafael Silva deu a volta por cima e reconquistou a confiança do técnico Doriva. Hoje, além de ser boa opção ofensiva pelo lado do campo, o jogador é dono de uma estatística para nenhum torcedor supersticioso botar defeito. Dos 12 jogos que disputou no Carioca, foi titular em oito ocasiões e está invicto — nove vitórias e três empates. Mesmo não estando confirmado no primeiro jogo da final, o novo talismã vascaíno pode ser a carta na manga de Doriva para surpreender o Botafogo.

Rafael Silva quer entrar na história do VascoDivulgação

“Nesse tempo no Carioca tive altos e baixos. Consegui recuperar a minha posição, pois joguei em alguns momentos fora de posição, mas procurei dar o melhor”, disse Rafael Silva. Ele não teme a concorrência de Dagoberto: “Todos sabem a qualidade que tem o Dagoberto. Estou procurando fazer a minha parte e quem o Doriva optar vai representar bem o Vasco.”

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

Sendo ou não titular, o maior objetivo de Rafael Silva é ajudar o clube a acabar com o incômodo jejum de 12 anos sem título no Estadual.

GOLAÇO INESQUECÍVEL

Na última vez em que o Vasco ergueu a taça, ele tinha 12 anos e morava em São Paulo. Mas nem o tempo e a distância o fizeram esquecer o gol de Souza, que começou em jogada genial de Léo Lima, na final contra o Fluminense:<CW-12> “Por incrível que pareça, eu lembro. O gol do título foi em cruzamento de letra do Léo Lima. Fiquei bobo, pois nunca tinha visto um grande lance desse assim em final.”

Rafael Silva torce para que a história se repita na decisão: “Espero que tenhamos um grande lance como aquele. Quem sabe?”. Para quem quer escrever sua história na Colina, o que não falta é inspiração. A começar pelo mural de craques da sala de imprensa: “Quando cheguei, a primeira coisa que reparei foi nisso. Espero que daqui a uns anos tenha o meu nome aqui.”