Por edsel.britto

Rio - Já se passaram dois anos desde aquele pênalti. De um lado, o goleiro Victor, herói da classificação do Atlético-MG, que, com defesa milagrosa, tornou-se ‘santo’. Do outro, Riascos, que vive inferno astral e busca reabilitação desde que desperdiçou a cobrança. Neste domingo, às 16h, os dois nomes daquelas quartas de final da Libertadores de 2013 vão se reencontrar no mesmo Independência. O colombiano, que estreia pelo Vasco, espera finalmente levar a melhor sobre o atleticano.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

No dia 30 de maio de 2013, Riascos, destaque do Tijuana, já havia marcado gols no jogo de ida, no México, e no primeiro tempo em Minas Gerais. O empate por 1 a 1 garantia o Atlético-MG na próxima fase até que o árbitro assinalou pênalti para o visitante, aos 47 minutos do segundo tempo. Confiante, Riascos não titubeou. O gol faria o Atlético-MG cair em pleno Horto. Foi quando Victor, ainda um mero ‘mortal’, fez milagre e, com o pé esquerdo, garantiu os mineiros na próxima fase.

Dois anos depois%2C Riascos e Victor irão se reencontrar no duelo entre Vasco e Atlético-MGArte O Dia

Enquanto o goleiro voltaria a ser decisivo em disputas de pênalti na semifinal e na final da Libertadores, acabava ali a ascensão de Riascos. Uma semana após a eliminação, o atacante colombiano, que tinha 23 gols em 64 jogos, pediu para deixar o Tijuana. E nunca mais embalou.

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Brasileiro

Somadas as passagens pelo Pachuca, Morelia (ambos do México) e Cruzeiro, Riascos entrou em campo 56 vezes e marcou apenas oito gols. O último deles em agosto. Se no clube mineiro ele disputou apenas quatro jogos (contra Caldense, Mamoré, Huracán e Ponte Preta), todos como reserva, o atacante chega com moral ao Vasco. 

Em 2013%2C Victor pegou o pênalti cobrado por Riascos e levou o Galo à semifinal da LibertadoresReprodução Vídeo

Dias após a sua apresentação, foi confirmado entre os titulares de Doriva, que acredita no fim da má fase do ataque. Para o treinador, reencontrar o Atlético-MG, de Victor, no mesmo estádio, fará bem ao colombiano.

“Ele não carrega traumas e isso que ocorreu servirá de motivação para escrever uma outra história. Com certeza o Riascos está com muita vontade de vencer o Victor. Naquela ocasião, como brasileiro, fiquei feliz pelo Atlético-MG, mas agora espero que o meu atacante tenha melhor sorte e o final seja feliz”, disse.

DIA DE ‘SÃO VICTOR’
Nas ruas de Belo Horizonte, ‘São Victor’, como passou a ser conhecido o camisa 1 do Galo, ganhou procissão e homenagens dois anos após o feito, comemorados ontem. Por meio das redes sociais, atleticanos também se mobilizaram para arrecadar agasalhos para doações à algumas entidades beneficentes.

Você pode gostar