Vasco entra na mira do STJD e pode perder o Caldeirão por até dez jogos

Árbitro relata na súmula artefato explosivo jogado pela torcida

Por O Dia

Rio - Não há nada ruim que não possa piorar. Afundado na crise, penúltimo colocado no Brasileirão, com quatro derrotas consecutivas nas costas e com o treinador sob pressão, o Vasco está na mira do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O árbitro Leandro Vuaden relatou na súmula da partida contra o Cruzeiro que torcedores atiraram um artefato explosivo no gramado de São Januário e a Procuradoria vai se reunir nesta segunda-feira para pedir uma punição severa.

Doriva lamenta o incidente em São JanuárioAndré Mourão / Agência O Dia

“A partir desta segunda-feira vamos nos reunir para avaliar o que pode ser feito. O que ocorreu é grave e será assunto prioritário para o STJD”, disse o procurador Paulo Schmidt.

Na ocasião, na saída dos jogadores do gramado, um explosivo foi atirado, vindo da direção da torcida do Vasco, que protestava após a derrota por 3 a 1. O artefato explodiu próximo aos jornalistas, policiais e até mesmo de jogadores, como o goleiro do Cruzeiro, Fábio. Nenhum suspeito foi identificado pelo Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe).

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

De acordo com o artigo 213 (deixar de tomar providências capazes de prevenir e reprimir), inciso III, parágrafo primeiro, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), o Vasco, além de multa que varia de R$ 100 a R$ 100 mil, se punido, poderá perder de um a dez mandos de campo. Enquanto a Procuradoria do STJD não oficializa a denúncia, o risco de ficar sem São Januário em um momento complicado para o time fez Doriva lamentar o episódio.

VEJA MAIS: Confira a tabela e classificação do Campeonato Brasileiro

“O torcedor veio e cantou. Jogaram a bomba, mas não podemos atribuir à torcida. Foi um indivíduo que deve ter ficado nervoso ou até mesmo já veio para o estádio com essa intenção. Espero que não sejamos punidos, pois precisaremos da nossa casa, do apoio do verdadeiro vascaíno. Sei que eles podem nos empurrar para sairmos dessa juntos”, ressaltou o treinador.

Doriva, por sua vez, por pouco não deixou o comando do Vasco. Há nove jogos sem vencer - sete pelo Brasileirão e dois pela Copa do Brasil -, ele chegou a pensar em entregar o cargo após o jogo contra o Cruzeiro. Entretanto, foi convencido a ficar por membros da diretoria, da comissão técnica e até mesmo por alguns jogadores.

Após mais um vazamento de vídeo, Doriva alerta para a Internet

Primeiro foi Bernardo, que discutiu com torcedores, teve vídeos íntimos e fotos ameaçando se matar com uma faca. Tudo pela Internet. No jogo contra o Cruzeiro, foi a vez de Yago sentir a ira da torcida devido ao mundo virtual. Após um arquivo de áudio, que supostamente seria do jogador reclamando de alguns vascaínos cair na grande rede, o jovem foi muito vaiado e xingado enquanto esteve em campo. Sobre o assunto, o técnico Doriva pediu mais cuidado aos jogadores.

“Eu não estou a par, mas é lamentável. A gente orienta os atletas para eles saberem utilizar a tecnologia. Acabam se expondo. Yago é jovem, passível de erro. Ele errou, acertou, mas lutou muito quando entrou”, disse.