Jorginho critica arbitragem do jogo do Vasco: 'Erro foi determinante'

Técnico reclama de falta em lance com Jorge Henrique

Por O Dia

Rio - Jorginho e o banco de reservas do Vasco se revoltaram no segundo gol do Atlético-MG, neste sábado, no Maracanã, pelo Brasileiro. A reclamação é de uma falta em lance de Jorge Henrique. O árbitro Elmo Alves Resende Cunha mandou o jogo seguir, o Galo recuperou a bola e armou o contra-ataque que resultou no gol - time mineiro venceu por 2 a 1. O técnico do Cruzmaltino está na bronca

Jorginho e Zinho tentam encontrar a salvação para o VascoAndré Mourão / Agência O Dia

"Fazer gol é sempre bom, ainda mais nessas circunstâncias do jogo. Trouxe a esperança do jogo. Acredito que a equipe melhorou bastante do jogo contra o Inter. Tivemos algumas chances, a equipe enfrentou um grande adversário. Tivemos a infelicidade de sofrer o segundo gol, determinante para o resultado. Na hora você fica nervoso e me pareceu falta no Jorge Henrique. Árbitros são passíveis de erros. Tem sido contra a gente... E como temos precisado que errem também a favor. Mas temos de esquecer a arbitragem. Sei que não é fácil, o erro hoje foi determinante. Mas aconteceu, são seres humanos. Só espero que não aconteça tantos erros assim", declarou o técnico.

LEIA MAIS: Eurico condena atitude da torcida e diz tomará 'providências legais'

Jorginho não joga a toalha e acredita na salvação do Vasco no Brasileiro. O time amargou a sexta derrota consecutiva e segura a lanterna com apenas 13 pontos, 12 a menos do que o Goiás, primeiro time fora da zona da degola.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

"Só penso no Vasco. Ainda bem que sou muito determinado. Mas tenho tempo para minha esposa também. É um dos maiores desafios da minha vida. E não vamos nos entregar. Sei que a cada jogo as chances diminuem. Mas ainda estamos vivos e respirando. Mesmo diante de uma derrota vi coisas boas. O retorno do Diguinho, o Lucas foi bem. Infelizmente perdemos o Rafael Silva (foi expulso). É momento, eu como comandante, de ter a tranquilidade necessária. Às vezes ficamos nervosos, mas logo em seguida procuro ter a calma e o equilíbrio", disse Jorginho.