Luan garante não ter feito promessa, mas acredita na salvação do Vasco

Gigante luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro

Por O Dia

Rio - O zagueiro Luan é um homem de fé. Daqueles capazes de estampar no braço esquerdo uma enorme tatuagem de Nossa Senhora e exibir orgulhoso. Temente a Deus, reza para que o Vasco se salve do inferno do rebaixamento para a Série B, mas sem abusar da boa vontade divina.

“Acredito (em milagres), sou religioso, tenho uma tatuagem de Maria (levanta a manga da camisa e mostra), mas acredito muito mais no trabalho do que no milagre. Se a gente trabalhar e buscar com nossas forças tenho certeza que Deus vai nos ajudar também, pois Deus é Deus para nós e Deus é Deus também para o Coritiba. Cada um sabe a força que vem do céu e é com trabalho que vamos sair dessa situação”, garante.

Luan crê na salvação do clube cariocaPaulo Fernandes/Vasco.com.br/Divulgação

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

Mas o Vasco vai precisar muito mais do que trabalho e suor se quiser escapar do purgatório da Segunda Divisão. Além de vencer o Coritiba, fora de casa, terá que rezar pelos tropeços de Figueirense e Avaí, que enfrentam adversários desmotivados: Fluminense e Corinthians, respectivamente.

“Não fiz promessa, Cada um tem a sua religião, respeito. Creio em Nossa Senhora, Jesus e Maria. Todo mundo vai pedir nessa hora, mas o que prevalece mesmo é o trabalho. Estamos nos dedicando bastante e não passa pela nossa cabeça outro resultado que não seja a vitória”, disse, demonstrando convicção.

Tranquilo, o jovem zagueiro, que retorna ao time depois de cumprir suspensão automática contra o Santos, garante que o grupo tem lidado muito bem com a ansiedade durante a semana mais importante da temporada.

“Tem sido uma semana boa como foram as últimas, de muito trabalho. A ansiedade é normal, todo jogador é ansioso, mas a gente controla bem. Estamos tranquilos”. Apesar dos treinos fechados, norma da presidência do clube, o defensor acabou revelando a atividade de ontem, em São Januário: “Vou para casa descansar, porque os treinos têm sido puxados. Um período curto de cinquenta minutos a uma hora, mas que é muito intenso. É isso que o futebol pede agora”.

JORGINHO MANTÉM MISTÉRIO NO MEIO

Com os portões fechados aos jornalistas a dúvida permanece no ar: quem será o substituto de Andrezinho, que levou o terceiro cartão amarelo contra o Santos e não enfrenta o Coritiba? Bruno Gallo e Julio dos Santos brigam pela vaga.

Mas o primeiro parece ter a preferência do técnico. Se a tendência se confirmar, o Vasco entraria em campo com três volantes, Serginho, Diguinho e Gallo. Outra opção do técnico é escalar mais um atacante. Neste caso, Rafael Silva, que tem entrado ao longo dos jogos nas últimas rodadas, poderia deixar o time mais ofensivo. Mas Jorginho deve esconder o jogo até a divulgação da escalação, no vestiário do Couto Pereira.