Fé no rival para fugir do rebaixamento

Vascaíno pede benção a padre tricolor para que neste domingo o Cruzmaltino evite a terceira queda em oito anos

Por O Dia

Rio - Para quem tem fé, a Série A nunca tem fim. E já que o Vasco precisa da força do rival Fluminense contra o Figueirense — além da obrigação de vencer o Coritiba e de contar com um tropeço do Avaí diante do Corinthians —, o torcedor Victor Gonzalez, de 44 anos, não pensou duas vezes: recorreu à religião e pediu bênção ao Padre Omar, tricolor e há sete anos reitor do Santuário Cristo Redentor. O milagre se faz necessário pela salvação do terceiro rebaixamento no Brasileiro.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Vasco

"Nunca pensei que viria ao Cristo pedir bênção ao padre, especialmente pela permanência do Vasco na Série A. E ainda na dependência do Fluminense. Já que o padre é tricolor, espero que o Fluminense nos ajude um pouco”, declarou Victor, otimista.

Victor recebe a bênção do Padre Omar e espera por alguns milagres na última rodada do BrasileiroDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Sendo assim, Padre Omar é o homem certo na hora de conceder uma palavra de salvação. Nos últimos anos, o pároco realizou missas em salvação ao Fluminense, quando o time brigava para não cair. Além disso, abençoou a seleção da Alemanha na Copa do Mundo do Brasil e foi pé quente.

“Já é tradição abençoar clubes e países que passam dificuldade. Tenho agora essa oportunidade de fé e amor de poder colaborar com o Vasco, um clube tradicional que passa sufoco. Deus é por todos e temos a chance de trazer mensagem de força e superação para esse clube importante do nosso país”, enaltece Omar. E completa: “O meu coração traz esse sentimento de amor pelo Fluminense desde a infância, mas, mesmo assim, não me limito a bênção ao Flu. Os vascaínos podem se sentir integrados nessa perspectiva de fé.”

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Brasileiro

É esse sentimento que alimenta o Vasco, um clube tradicionalmente católico e que costuma fechar em alguns dias santos. Apegado na fé, o funcionário público Victor Gonzalez acompanha a devoção, porém, diz que o time precisa pensar antes em vencer o Coxa e só depois esperar por resultados milagrosos.
No entanto, ele mesmo garante ser difícil não pensar na combinação de placares necessários e já estendeu a corrente de orações.

“Tenho pessoas próximas a mim que vão ajudar na fé, na torcida. Tenho um compadre tricolor e outro corintiano que prometem contribuir. O Corinthians também precisa dar aquela força contra o Avaí. Ainda tem minha filha e meu chefe, que são tricolores, e vão ajudar nessa empreitada”, garantiu, sorrindo. Haja fé!