Jorginho projeta um bom ano em 2016 e diz que o Vasco tem o respeito de rivais

Gigante da Colina tem a missão de retornar para a Série A

Por O Dia

Rio - Após um 2015 extremamente irregular que começou com o título carioca e terminou com o rebaixamento para a Série B, o Vasco começa esta temporada com a confiança de seu treinador. Mesmo com a tarefa de reconduzir o Gigante da Colina para a Série A, Jorginho afirmou, em entrevista ao Sportv, que vê o seu elenco bastante confiante, forte e bastante respeitado pelos adversários;

Jorginho falou sobre o elenco do VascoPaulo Fernandes/Vasco.com.br

"Ao chegar ao Vasco, percebi que, além de outras características que precisavam ser trabalhadas, tinha a questão de acreditar no potencial. Uma pessoa sem confiança pode errar mais. O lateral não cruza bem, o meio-campo não tem um bom passe, faz a coisa mais simples, o atacante não chuta. Tudo isso foi um trabalho que a gente fez. Não fiz sozinho. Esses 43 jogadores, um plantel grande, estavam inseridos no mesmo sonho. Não conquistamos o sonho, mas conquistamos o respeito de adversários. Quando cheguei, perdi quatro jogos, inclusive de 6 a 0 para o Internacional. As equipes não respeitavam o nosso time. Com paciência, percebi com quem a gente poderia contar e a coisa mudou completamente. Os jogadores ganharam confiança. Foi uma mudança radical na equipe", afirmou;

Um dos pilares para o Vasco é sem dúvida o meia-atacante Nenê. O jogador chegou a São Januário no meio do Brasileiro e foi importante para a equipe na reação no segundo turno que quase evitou o rebaixamento do clube. Jorginho fez elogios ao atleta, mas afirmou que outro veterano também agradou e surpreendeu muito no ano passado.

"Todo mundo sabia o potencial do Nenê, só não sabia se ele voltaria ao Brasil, manteria essa qualidade técnica e se adaptaria tão rapidamente. Eu peguei um jogador no banco, o Julio Cesar. Ele cresceu muito, fez gols, foram dois comigo. Ele estava desacreditado, o Christiano era o titular, mas tomou a vaga e foi muito bem. Para mim, foi uma grande alegria saber que um jogador acima dos 30 anos não está acabado", disse.