Humildade e pés no chão na Colina

Líder da Taça GB, Vasco está invicto no Carioca e não perde há sete jogos para o Fla, mas Jorginho pede respeito

Por O Dia

Rio - O Vasco reencontra o Flamengo, nesta quarta-feira, disposto a conter o clima de euforia. Afinal, nem o mais otimista torcedor poderia imaginar que três meses após sofrer o terceiro rebaixamento de sua história — em oito anos — o time seria líder da Taça Guanabara, único invicto no Campeonato Carioca e dono de uma invencibilidade de 16 jogos. E, mais do que nunca, favorito ao bicampeonato estadual. Números que ficam ainda mais saborosos ao se levar em consideração que o Vasco não perde para o rival há sete partidas (são cinco vitórias e dois empates).

Vasco busca mais uma vitória sobre o FlamengoPaulo Fernandes/Vasco.com.br

A última derrota para o Flamengo ocorreu no dia 22 de março de 2015, por 2 a 1, pelo Carioca. O retrospecto em clássicos também é altamente favorável — o Vasco sofreu apenas uma derrota nos últimos 14. Mas a estatística favorável não deslumbra o técnico Jorginho. Com os pés no chão, ele sabe que o Vasco é o time a ser batido:

“A responsabilidade aumenta. Todos vão querer bater o Vasco, tirar a invencibilidade. A rivalidade é grande demais. Os jogadores já entenderam isso. O importante é estar concentrado.”

Nem mesmo a crise do Flamengo é considerada positiva em São Januário. “Não muda nada. O Flamengo tem grandes jogadores, ainda não encaixou por questão de tempo. Tem um dos melhores treinadores do futebol brasileiro. É questão de tempo para a coisa acontecer (no lado rubro-negro). Que não aconteça contra a gente. O Flamengo é uma equipe perigosa, que joga com extrema intensidade e velocidade!”, elogiou Jorginho.

DE BEM COM O CORPO E A ALMA

Em alta na Colina, após cair em desgraça com a torcida no final de 2015 devido a problemas extra campo, o atacante Thalles comemora a boa fase e a atual titularidade. Já são cinco gols em nove jogos, fruto de uma mudança de comportamento dentro e fora de campo.

“Já emagreci e sempre dá para melhorar mais. Cortei o refrigerante e o sanduíche. Contratei uma pessoa para fazer meu almoço e minha janta lá em casa, minha mãe já veio aqui se reunir com o pessoal da nutrição, para ver o que posso comer”, explicou, em coletiva. Além do peso ideal e da boa forma física, Thalles garante estar mais tranquilo.
“Estou mais próximo da minha mãe e da minha namorada. Este ano só penso em jogar futebol.”