Eurico Miranda: 'Eu não penso na morte'

Presidente do Vasco fala sobre o momento, currículo vitorioso e vida pessoal

Por O Dia

Rio - Em quase meio século dentro do futebol, Eurico Miranda, colecionou inimizades, atraiu uma legião de seguidores e causou muita polêmica. Perto de conquistar o 51º título da carreira, o presidente vascaíno abre o jogo e revela nesta entrevista exclusiva um pouco da intimidade. Fala sem rodeios da doença, diz que não pensa na morte e que, apesar da idade, está mais jovem do que nunca.

Eurico Miranda completa 72 anos em 2016Ernesto Carriço / Agência O Dia


O DIA: O Eurico que a imprensa não conhece é divertido, carrancudo?

Eurico Miranda: Não sou daqueles do riso fácil, não é o meu estilo. Aliás, isso é uma das coisas que quando você quer fazer política tem que ser assim, e todo mundo sempre diz que sou um mau político. Rio só quando tenho vontade, mas não para ser mais simpático.

O DIA: Muita gente o considera antipático. Como lida com isso?

Eurico Miranda: Os que convivem comigo me acham até simpático demais. A questão não é ser simpático ou não. Tem uma frase de para-choque de caminhão que fala do grande problema do meio do futebol: “Inveja é uma merda”. É próprio da natureza humana, entendo isso. Modéstia à parte, estou no meio do futebol com conhecimento de causa e sei que em matéria de futebol é muito difícil debater comigo.

O DIA: Sua família não tem ciúme do Vasco?

Eurico Miranda: Na vida tudo tem uma questão de compensação. Eu tenho uma bela família. Quatro filhos, nove netos e eles já nasceram sabendo que têm que conviver com a minha vida no Vasco.Quando tenho oportunidade, sempre estou com meus netos.Eles assistem aos jogos, ficam comigo e é uma satisfação. Deixo eles fazerem o que querem. Fico tão pouco tempo com eles, que não tem isso de ‘não pode isso, não pode aquilo’. Não posso me queixar tenho uma família maravilhosa, sou abençoado.

O DIA: Como é a sua rotina?

Eurico Miranda: Não é mais a de dois meses atrás, até porque fiz uma cirurgia. Estou fazendo tratamento preventivo e mudou um pouco nesse sentido. Mas apesar de fazer quimioterapia, não mudou nada a minha atividade aqui. Dependendo do dia, posso passar de 12 a 24 horas no Vasco. Acompanho tudo de perto. Uma coisa é certa, todo dia venho ao Vasco.

Eurico ao lado dos jogadores do Vasco em título da Taça GuanabaraCarlos Gregório Jr/ Vasco.com.br

O DIA: O senhor faz 72 anos em junho. Como encara o envelhecimento?

Eurico Miranda: Sinceramente, não me sinto envelhecido. Fisicamente já não sou o mesmo, isso é verdade, não sou praticante de exercícios, mas a cabeça, que é a mais importante, não envelheceu. Armazenou muita coisa. De certa forma, os anos foram passando, mas um coisa eu tenho certeza plena. Podem não gostar de mim, mas me respeitam.

O DIA: O senhor tem uma doença grave, que é de domínio público. Como lida com isso. Tem medo de morrer?

Eurico Miranda: Você sabe que não penso nisso, sin<ceramente. Eu sei que vou morrer, mas tenho enfrentado todas essas minhas coisas com naturalidade. Não modifiquei em nada com essa doença que tive. Na verdade, extirpei dois tumores.Hoje, faço quimioterapia, que é mais preventiva do que curativa. Não é agradável, mas enfrento com naturalidade. Faço pelo menos uma sessão, uma vez por semana. Das 12 sessões, já fiz dez, só faltam duas e está tudo bem. Tenho muita proteção.

O DIA: A doença mudou a sua forma de encarar a morte?

Eurico Miranda: O que eu não gostaria era de morrer antes de ver o Vasco em uma situação mais tranquila, antes de ver os meus filhos criados, de perder a chance de conviver mais com os meus netos. Mas tenho certeza de uma coisa: os meus (familiares) vão demorar a se esquecer de mim.

O DIA: Em 50 anos no futebol qual é o seu maior orgulho?

Eurico Miranda: Já ocupei todos os cargos possíveis no Vasco e o principal é o de presidente. Mas a coisa que mais me orgulho é ser representante, em maiúsculo, do Vasco.

O DIA: Do que não se orgulha?

Eurico Miranda: Sou daqueles que não me arrependo de nada que fiz. Nada. Faria tudo de novo. É evidente que tem muita coisa que a gente faz, que depois vê que não era para fazer daquela maneira. Mas não me arrependo, porque no momento que fiz visava um interesse maior.

O DIA: O que senhor gosta de fazer na hora de lazer?

Eurico Miranda: Na TV, gosto de tudo, menos comentários esportivos. Só vejo, se tirar o som, pois a maioria entende pouco. Gosto de filmes de ação. Drama não me interessa mais, mas sei apreciar as coisas boas. Ando sem tempo, mas tinha uma mania, o quebra-cabeça. Estimulava alguns neurônios e me fazia, naquele momento, esquecer todos os problemas.

O DIA: Montava com seus netos?

Eurico Miranda: Eles são os únicos que podem mexer nas minhas peças. Os outros não têm permissão.

O DIA: É como puxar o Casaca?

Eurico Miranda: Casaca é um grito de guerra que ninguém tem. Não é algo vulgar. É um grito de triunfo, orgulho. Não é cantado, é puxado. Mal comparando, é como prestar continência à bandeira nacional. Não admito puxar o Casaca com as pessoas sentadas. Agora, como venho com isso lá de trás, onde estou, para puxar o Casaca tem que ser o presidente. Ou então não puxa.

O DIA: Domingo dá Vasco?

Eurico Miranda: Você não fica 25 jogos sem perder, em que ganhou dos seus três adversários. Isso merece ser exaltado. Trabalhei com grupos excepcionais, de qualidade. Mas este grupo é muito consciente. Posso dizer que dos muitos que trabalhei não tem um que tenha essa integração direta. Seria o coroamento de uma campanha brilhante.

O DIA: O que o Vasco significa para o senhor?

Eurico Miranda: Tirando a minha família, realmente o Vasco é tudo. Aliás, ainda tira um um pouco da minha família. O Vasco é tudo.