Mais Lidas

STJD recorre de decisão e Vasco pode perder São Januário por até dez rodadas

Clube foi indiciado por conta de briga de torcedores após derrota sofrida contra o Corinthians; Milton Mendes também pode acabar punido

Por gabriel.santos

Rio -  O Vasco tornou São Januário uma fortaleza nesse Campeonato Brasileiro. Em seis jogos no estádio, perdeu apenas um e venceu todos os outros, marcando todos os seus pontos no torneio dentro de casa. No entanto, por conta de uma decisão do STJD, o clube pode perder até dez mandos de campo.

Milton Mendes pode ser suspenso por até seis jogosPaulo Fernandes/Vasco.com.br

Após a única derrota contabilizada em seus domínios, contra o Corinthians, pelo placar de 5 a 2, houve briga e confusão em São Januário, entre os próprios torcedores do Vasco. Por conta disso, o clube acabou indiciado pelo STJD, com base no artigo 213, inciso I.

O Tribunal entendeu que o clube não reprimiu e nem preveniu a desordem. No entanto, acabou absolvido num primeiro momento. Porém, a procuradoria do STJD recorreu da primeira decisão e o Vasco passará por novo julgamento.

Caso seja condenado, a multa varia de R$ 100 a R$ 100 mil e também implica na perda de até dez mandos de campo, no que seria um grande revés para um time que vem dependendo da força de sua torcida.

A procuradoria também recorreu de uma decisão que inocentava o técnico Milton Mendes. Suspenso para a partida contra o Corinthians, o treinador teria interferido no andamento do jogo, se comunicando com seu auxiliar, prática não permitida pelo regulamento.

Enquadrado nos artigos 191 e 258, Milton pode ser punido com multa de até R$ 100 mil, além de ser suspenso por mais seis partidas, no máximo. O Vasco também pode ter de pagar R$ 10 mil pelo ocorrido.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia