Por monica.lima

Rio - O HSBC liderou o ranking de reclamações das instituições financeiras em março, segundo levantamento divulgado ontem pelo Banco Central (BC). A segunda colocação ficou com o Bradesco, que foi seguido pelo Santander, Caixa Econômica e Banco do Brasil. Para compor a listagem, o BC levou em consideração as instituições financeiras com mais de 2 milhões de clientes.

De acordo com os dados, o HSBC, que possui hoje 10,27 milhões de clientes, recebeu 98 reclamações consideradas procedentes. Com isso, o índice de reclamações, calculado a partir do número de reclamações procedentes dividido pelo número de clientes e multiplicado por 1 milhão, somou 9,53.

A maioria das queixas dos clientes girou em torno das irregularidades relativas à integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços. Os correntistas reclamaram também de ofertas ou prestação de informações a respeito de produtos e serviços de forma inadequada.

No caso do Bradesco, que tem 75,26 milhões de clientes, foram registradas 683 reclamações procedentes. O índice de reclamações ficou em 9,07. A principal queixa registrada foi a recusa ou dificuldade de acesso aos canais de atendimento convencionais.

Já o Santander, com 31,77 milhões de clientes, recebeu 282 reclamações procedentes, alcançando em março índice de reclamações de 8,87. A principal queixa foi débito em conta de depósito não autorizado pelo cliente.

A Caixa Econômica Federal, com 75,2 milhões de correntistas, ficou em quarto lugar, ao contrário do movimento registrado nos últimos meses, quando a instituição liderou o ranking três vezes consecutivas. Em março, a Caixa registrou 657 queixas procedentes, com índice de 8,73, a maioria por “irregularidades relativas à integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços”.

Em quinto lugar, ficou o Banco do Brasil, com índice de 6,02 e 334 registros de reclamações procedentes no período, grande parte motivada por débito de depósitos não autorizados. O banco estatal tem 55,4 milhões de clientes.

No ranking composto por com instituições com menos de dois milhões de clientes, o BNP Paribas disparou em primeiro lugar com 190 reclamações e índice de 152,70. O conglomerado Bic ficou em segundo, com índice de 87,64 e 15 reclamações, seguido por J.Malucelli com 30 reclamações registradas no Paraná Banco e índice de 81,89. Banco Daycoval ocupou a quarta posição com 40 queixas e índice de 57,19, enquanto BMG ficou na quinta posição com 79 reclamações e índice de 51,82.

A listagem de reclamações frequentes foi liderada pelos protestos de “irregularidades relativas à integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços”. Em seguida, aparece na lista o débito em conta de depósito não autorizado pelo cliente. Em terceiro lugar entre as reclamações está registrada a recusa ou dificuldade de acesso aos canais de atendimento convencionais.

Ocupando o quarto lugar, desponta a restrição à realização de portabilidade de operações de crédito consignado relativas a pessoas naturais por recusa injustificada. Em quinto lugar, a listagem aponta “insatisfação com a resposta recebida da instituição financeira referente à reclamação registrada no BCB”.

Você pode gostar