Ibovespa sobe 1,09% impulsionado pela ação da Petrobras

Índice avançou na contramão das bolsas externas, que amargaram perdas por conta da aversão ao risco causada pelo agravamento das tensões na Faixa de Gaza e na Ucrânia

Por O Dia

Enquanto as bolsas externas amargaram perdas em virtude da aversão ao risco por conta do aumento das tensões na Faixa de Gaza e na Ucrânia, o Ibovespa abre a semana no azul ao avançar 1,09%, aos 57.632 pontos, e renova o patamar máximo dos últimos 16 meses. O Giro financeiro foi de R$ 10,9 bilhões, sendo R$ 4,3 bilhões são provenientes do vencimento de opções sobre ações, que movimentou R$ 3,3 bilhões em compra e R$ 1 bilhão em vendas. A Biosev ON foi a mais negociada - R$ 619,76 milhões, em opções de venda, seguida por Petrobras PN, que moveu R$ 288,76 milhões em opções de compra.

O principal índice da Bovespa abriu volátil e, no meio da tarde, se firmou em terreno positivo puxado pelo avanço de Petrobras PN, que subiu 1,85%. Vale PN, que caía pela manhã, também virou e terminou em leve alta, de 0,43%. “O fato de o Ibovespa ter se mantido na faixa dos 57 mil pontos aponta que o índice deve buscar, agora, o patamar dos 60 mil pontos”, pontuou o economista-chefe da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira.

“O mercado operou em função de pesquisas eleitorais depois do vencimento de opções. A Petrobras vem subindo há muito tempo apoiada na expectativa por uma mudança de governo”, disse Bandeira. No mês, Petrobras PN acumula ganho de 20,8% e, no ano, o avanço ultrapassa os 30%.

A pesquisa do Datafolha, divulgada na última sexta-feira, apontou um possível empate técnico no segundo turno entre Dilma Rousseff, com 44% das intenções de voto e Aécio Neves, com 40%. O levantamento do Sensus, publicado no sábado, confirmou o resultado.

À frente dos ganhos, Gol PN subiu 3,21%. Na outra ponta, MMX ON teve queda de 3,97%.

Estados Unidos

Em meio a uma agenda fraca de indicadores, o sentimento de aversão ao risco provocado pelo aumento das tensões na Faixa de Gaza e na Europa – entre Rússia e Ucrânia – predominou e as bolsas fecharam no vermelho. O Dow Jones recuou 0,28%, o S&P teve queda de 0,23% e o Nasdaq perdeu 0,17%.

Dólar

No mercado de câmbio, o dólar terminou em leve queda de 0,2%, cotado a R$ 2,224 na venda. O fraco movimento reflete a agenda vazia de indicadores tanto aqui quanto no exterior.

“Por aqui, mais uma vez os fatos políticos modularam o comportamento do dólar, sendo que após a pesquisa Sensus mostrar a presença mais forte de Aécio Neves (PSDB) em relação a presidenteDilma Rousseff (PT), a divisa reagiu em queda e operou fraca durante toda a sessão”, afirmou a Correparti, em nota. A pesquisa Sensus apontou leve queda de 32,2%, para 31,6% nas intenções de voto para Dilma. Já Aécio subiu de 21,1% para 21,5%.

Últimas de _legado_Notícia