Por parroyo

Em sessão volátil, o Ibovespa garantiu a quinta alta consecutiva ao avançar 0,73%, aos 58.878pontos – o maior patamar desde fevereiro de 2013. Nos últimos cinco pregões, os ganhos foram de 5,8%. O índice chegou a operar no vermelho após a divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). Alguns membros do Comitê defenderam a ideia de promover uma elevação na taxa básica de juro “relativamente rápida” por conta da melhora na economia, o que tende a diminuir a atratividade pela renda variável e provocar uma saída de investidores estrangeiros da bolsa brasileira. No entanto, a maioria dos membros ainda concorda que é preciso analisar mais dados antes de promover o aperto monetário.

Apesar do mau humor momentâneo por conta do relatório do Fed, o analista da XP Investimentos Thiago Souza destaca que a maior expectativa do mercado continua sendo a confirmação da nova chapa do PSB, que terá Marina Silva como candidata a presidente e Beto Albuquerque como vice. “Isso irá ancorar uma potencial pesquisa do Ibope, a ser divulgada provavelmente na segunda-feira”, avaliou Souza ao lembrar que esse será o primeiro levantamento de um grande instituto após a redefinição oficial da eleição. "As pesquisas serão o grande driver da bolsa", pontuou o analista.

O Ibovespa foi impulsionado pelas blue chips na sessão desta quarta-feira. Petrobras PN subiu 2,15% e Vale PN teve alta de 1,87%. À frente dos ganhos, Rossi ON avançou 5,79%. As ações das construtoras subiram como reflexo das medidas para a simplificação da aquisição de crédito imobiliário, anunciadas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, no fim da tarde.

Na ponta negativa, as ações da MMX despencaram 8,49%. Na terça-feira, o papel já havia caído mais de 10% em meio a rumores sobre um possível pedido de recuperação judicial, informação desmentida pela companhia.

Nos Estados Unidos, as bolsas fecharam em direções opostas. A atenção dos investidores se voltou para a ata do Comitê de Política Monetária do Fed. Embora a maior parte dos membros concorde que a inflação e o desemprego estão cada vez mais próximos do desejado pela instituição, o relatório ressaltou os riscos geopolíticos no leste da Ucrânia e no Oriente Médio e a recuperação ainda insatisfatória do setor imobiliário do país como contrapontos. Na avaliação da Fator Corretora, o relatório “indica, em certa medida, uma antecipação da normalização da política monetária”. O Dow Jones subiu 0,35%, o S&P teve alta de 0,25% e o Nasdaq recuou 0,02%.

Dólar

No mercado de câmbio, o dólar avançou 0,57%, cotado a R$ 2,263 na venda. A alta da divisa refletiu a percepção de que o Fed poderá anunciar um aperto monetário antes do esperado.

Você pode gostar