Por parroyo

A arrancada de Aécio Neves (PSDB) na reta final da eleição refletiu em euforia no mercado de capitais do Brasil nesta segunda-feira. Os números finais da disputa mostraram Dilma Rousseff (PT) com 41,6%, enquanto o tucano ficou com 33,5%, percentual superior ao apontado nas últimas pesquisas. Impulsionado pelos papéis das estatais, o Ibovespa operou em forte alta durante toda a sessão e terminou com ganhos de 4,72%, aos 57.115 pontos, cravando assim a maior alta percentual diária desde julho de 2012. O giro financeiro foi de R$ 14,3 bilhões – mais que o dobro da média de volume vista no ano, de R$ 6,5 bilhões. No mercado de câmbio, o dólar caiu 1,43%, cotado a R$ 2,427 na venda.

O forte desempenho da bolsa, entretanto, não deve se manter nos próximos pregões, quando a volatilidade tende a prevalecer, de acordo com analistas. “A primeira coisa que o mercado ficará atento é a definição do apoio de Marina e, depois, as pesquisas eleitorais devem guiar os negócios”, apontou o analista da Clear Corretora, Fernando Goes. Marina Silva (PSB) e os partidos de sua aliança devem decidir até quinta-feira a posição que vão sustentar na segunda etapa da eleição. Também na quinta-feira, está prevista a divulgação de novos levantamentos do Datafolha e do Ibope.

“Se as pesquisas mostrarem uma diferença dentro da margem de erro entre Dilma e Aécio, haverá a confirmação do acirramento da disputa e o mercado pode subir. Mas se a distância entre os candidatos for maior, a tendência é que o movimento de venda ganhe força e a bolsa recue”, pontuou o analista da CM Capital Markets, Marco Aurélio Barbosa. “Cálculos estatísticos baseados na eleição de 2010 apontam que 60% dos votos de Marina caminhariam naturalmente para Aécio. Ele precisa de 80% dos votos da ex-senadora para ganhar a eleição”, complementou Barbosa.

À frente dos ganhos desta segunda-feira, Banco do Brasil ON disparou 11,92%, seguido por Petrobras PN, que teve alta de 11,12%. Os papéis ordinários da estatal, por sua vez, subiram 9,43%. O avanço do índice foi puxado ainda pelas ações dos bancos. Bradesco PN valorizou 7,56% e Itaú PN ganhou 5,36%. Na ponta negativa, Suzano PNA recuou 3,59%.

Nos Estados Unidos, as bolsas operam no vermelho. Após dado forte do mercado de trabalho divulgado na última sexta-feira, que mostrou a taxa de desemprego em 5,9% - o menor nível em seis anos - e a criação de vagas acima da projeção, volta ao radar do mercado a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) possa aumentar a taxa de juros no início de 2015. Nesta terça-feira, diversos presidentes regionais do Fed irão fazer discursos e podem dar pistas sobre os próximos passos da política monetária. Dow Jones caiu 0,10%, o S&P teve queda de 0,16% e o Nasdaq recuou 0,47%.

Você pode gostar