Por parroyo

Depois de subir quase 2% na primeira etapa do pregão, o principal índice da bolsa paulista fechou com uma valorização tímida nesta terça-feira, com o ânimo do mercado após o anúncio de medidas fiscais dividindo a atenção com persistentes preocupações com o fornecimento de energia no país.

O Ibovespa fechou com variação positiva de 0,25%, aos 47.876 pontos. O giro financeiro do pregão totalizou R$ 5,37 bilhões.

Apesar do pregão positivo das bolsas asiáticas e europeias, que apoiou mais cedo o mercado brasileiro, Wall Street retomou os negócios depois do feriado de segunda-feira em baixa, após o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduzir suas previsões de crescimento global para 2015 e 2016.

O desempenho negativo do pregão norte-americano contribuiu para minar o ânimo de investidores da Bovespa, que haviam comemorado mais cedo o anúncio de um pacote de medidas fiscais pelo governo federal brasileiro para colocar as contas públicas do país em ordem.

"O humor estava muito ligado à forte queda da Bovespa ontem (segunda-feira), então houve um pouco de ajuste (para cima) pela manhã. Quando abriram as bolsas dos EUA, o mercado voltou para o seu rumo normal", disse o analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora. Depois do fechamento do mercado brasileiro, as bolsas nos EUA passaram a subir.

As preocupações do mercado sobre o fornecimento de energia no Brasil, que levaram o Ibovespa a recuar 2,57% na véspera, também ajudaram a conter o otimismo do mercado acionário brasileiro. Na segunda-feira, o Operador Nacional do Sistema (ONS) exigiu que distribuidoras de energia fizessem um corte seletivo no fornecimento.

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que não houve falta de geração de energia na segunda-feira, mas uma falha "aparentemente técnica na rede Norte-Sul". A declaração, no entanto, não diminuiu os temores do mercado nem impediu nova queda de ações de empresas que fazem uso intensivo de eletricidade, como a da petroquímica Braskem. O papel recuou 6,54% nesta terça, na esteira da queda de 7,7% registrada na segunda-feira.

Ações do setor elétrico, como Eletrobras e CPFL Energia, também caíram com a percepção cada vez mais alta de risco de racionamento por conta dos níveis baixos de chuvas e do aumento do consumo de energia.

Já Cosan registrou alta de 4,47%, beneficiada pelo anúncio de aumento da tributação sobre sobre gasolina e diesel, com a expectativa de que a medida possa incentivar o consumo de etanol.

A companhia de shoppings BR Malls e a siderúrgica CSN foram outros destaques de alta.

A preferencial de Petrobras, que chegou a subir mais de 7%, reduziu ganho para apenas 1,41% no fechamento.

A estatal surpreendeu o mercado ao informar pela manhã que os preços da gasolina e do diesel cobrados nas refinarias serão acrescidos do PIS/Cofins e da Cide, sem alterações para os valores recebidos pela empresa.

"Era consenso que quando aumentasse o preço do combustível a Petrobras deixaria o preço na bomba igual ou muito parecido para não pressionar a inflação", disse o economista Hersz Ferman, da Elite Corretora. "Essa mudança indica de certa maneira um princípio de independência da Petrobras em relação à ingerência política."

Dólar

O dólar fechou em queda de mais de 1%  sobre o real nesta terça-feira, anulando todo o avanço da sessão anterior em reação positiva às medidas fiscais anunciadas pelo governo brasileiro e ao alívio nos mercados globais após a economia da China desacelerar menos que o esperado.

A queda também refletiu um movimento de correção, após a divisa subir 1,33 na véspera em um dia marcado por baixo volume. A moeda norte-americana caiu 1,54%, cotado a R$ 2,615 na venda. 

Você pode gostar