Ibovespa sobe quase 3% com expectativa de estímulo na Europa

Banco Central Europeu deve anunciar amanhã programa de compra de títulos no valor de €50 bilhões mensais, o que reforça a liquidez do sistema financeiro mundial

Por O Dia

O principal índice de ações brasileiro fechou em alta de quase 3% nesta quarta-feira, diante da expectativa de que o Banco Central Europeu (BCE) anuncie um programa de compra de bônus em sua reunião na quinta-feira, reforçando a liquidez do sistema financeiro mundial.

O Ibovespa encerrou o dia com valorização de 2,81%, aos 49.224 pontos, acompanhando a quinta alta consecutiva de ganhos das bolsas europeias. O giro financeiro totalizou R$ 6,4 bilhões.

A Comissão Executiva do BCE propôs um programa de quantitative easing (QE) que deve levar o banco central europeu a comprar cerca de €50 bilhões (US$ 58 bilhões) em bônus soberanos por mês a partir de março, afirmou uma fonte da Zona do Euro.

"A notícia influencia o mercado aqui por vários fatores, entre eles porque com mais dinheiro circulando (na Europa), fundos estrangeiros podem comprar ações aqui e a economia de lá pode crescer mais, aumentando exportações do Brasil, por exemplo", disse o gerente de renda variável da H. Commcor, Ariovaldo Santos.

Para o analista da Guide Investimentos Luis Gustavo Pereira, o possível anúncio do programa traria liquidez maior que a esperada para o sistema financeiro como um todo, o que por si só já é positivo para mercados emergentes, mas ainda há incertezas sobre os detalhes do pacote.

As ações de Itaú Unibanco e Bradesco, que sozinhas têm cerca de 20 por cento da participação no Ibovespa, deram as maiores trações ao índice, ao lado da ação preferencial da Petrobras, com alta de 5,36%.

Além da notícia sobre o BCE, a ação da petroleira continuou influenciada pelo anúncio de que repassará aos preços a elevação de tributos sobre combustíveis anunciada pelo governo federal, o que foi interpretado como um sinal de menor intervenção estatal na companhia.

A Oi teve a alta mais expressiva do pregão, de 10,35%, na véspera da crucial assembleia geral de acionistas da Portugal Telecom SGPS sobre a venda dos ativos portugueses da Oi à francesa da Altice, com o mercado apostando em uma aprovação do negócio.

A reunião dos acionistas já foi adiada uma vez, depois que opositores à venda disseram que a operação infringia os acordos da fusão do ano passado entre a Oi e Portugal Telecom.

"Todos os acionistas (da PT SGPS) estão querendo resolver essa situação", disse o analista Celson Plácido, estrategista da XP Investimentos. "(Bloquear a venda) complicaria a situação para todo mundo, inclusive para os próprios acionistas da PT SGPS."

Natura também apareceu entre as principais altas, avançando 6,5%, depois de associação do setor de cosméticos afirmar que as fabricantes querem discutir com o governo federal as implicações do aumento da carga tributária do setor anunciada na segunda-feira.

Por sua vez, a ação da Even teve alta de 4,46%  na esteira dos dados operacionais divulgados pela construtora e incorporadora na noite da véspera. Os lançamentos da empresa atingiram r$ 1,014 bilhão no último trimestre do ano passado, enquanto as vendas contratadas somaram r$ 508 milhões.

Analistas do Citi afirmaram em relatório que os lançamentos superaram suas previsões e as vendas ficaram em linha com o esperado. "Atribuímos a superação da previsão a dois projetos lançados na região Sul do Brasil, somando R$ 94 milhões, que não eram esperados para 2014", escreveram.

Dólar

O dólar fechou em queda nesta quarta-feira, mas anulou boa parte das perdas vistas durante a sessão após expectativas de mais estímulos econômicos na zona do euro derrubarem a divisa a R$ 2,58, o que favoreceu a atividade de compradores.

A moeda norte-americana vem enfrentando dificuldades para se sustentar abaixo de 2,60 reais, mesmo diante de expectativas de maior disciplina fiscal no Brasil. O dólar recuou 0,32%, aos R$ 2,606 na venda.

"Quando o mercado chega nesses níveis, perto de 2,60 reais, parece que pensa duas vezes", disse o gerente de operações do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

A moeda norte-americana operou em queda desde o início do pregão, dando continuidade ao movimento da véspera. No fim da manhã, a baixa foi acentuada com a publicação da notícias de que a Comissão Executiva do BCE propôs um programa de compra de aproximadamente €50 bilhões de euros em títulos por mês.

As notícias animaram investidores, uma vez que parte dos recursos injetados na economia europeia tenderia a migrar para cá, em busca de maiores rendimentos. Medidas de maior rigor fiscal adotadas pelo governo brasileiro também vêm agradando os mercados nas últimas semanas, aumentando a atratividade de ativos do país.

Últimas de _legado_Notícia