Dólar fecha março com alta de 11,7%, cotado a R$ 3,19

Moeda norte-americana encerra o primeiro trimestre com avanço de 20% sobre o real, a maior valorização para o período desde 1999

Por O Dia

O dólar fechou em queda de mais de 1 por cento ante o real nesta terça-feira, mas encerrou o primeiro trimestre com alta acumulada de 20 por cento em relação à moeda brasileira, em meio as incertezas políticas e econômicas locais e perspectiva de aumento dos juros nos Estados Unidos.

Foi a maior valorização do dólar ante o real em um primeiro trimestre desde 1999, quando o Brasil desvalorizou o real e adotou o regime de câmbio flutuante. No mês, o dólar acumulou alta de 11,7% ante o real, na maior valorização desde setembro de 2011.

Nesta terça-feira, a moeda norte-americana fechou com queda de 1,26%, cotada a R$ 3,190 na venda, após cair 0,27% na véspera. O desempenho foi influenciado pela briga para a formação da taxa Ptax, com investidores também aproveitando para embolsar ganhos das fortes altas recentes e acompanhando os comentários do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, no Senado Federal.

"Estamos vendo mais um reflexo ao movimento interno do que externo", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo, acrescentando que o mercado avalia positivamente a atuação de Levy na condução das mudanças necessárias para a economia.

As questões locais fizeram com o que o dólar se descolasse do mercado externo, onde a moeda norte-americana subia cerca de 0,4% em relação a uma cesta de moedas. Além da presença de Levy em comissão no Senado, o dia também foi marcado pela disputa pela formação da Ptax, taxa calculada pelo Banco Central que serve de referência para diversos contratos cambiais.

"Hoje teve a briga pela Ptax e teve também um movimento de realização, depois das altas recentes", disse o operador de câmbio da B&T Corretora de Câmbio Marcos Trabbold.

O dólar abriu em alta de cerca de 1 por cento frente ao real, com os negócios influenciados por dados fiscais do governo central que mostraram déficit primário de R$ 7,4 bilhões no mês passado, o pior resultado para meses de fevereiro na série histórica iniciada em 1997. Na máxima da sessão, a moeda chegou a ser negociada a R$ 3,269.

Mais tarde, o Banco Central divulgou que o setor público brasileiro apurou déficit primário de 2,3 bilhões de reais em fevereiro. Em meio a essas divulgações, Levy falou por cerca de sete horas na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, onde afirmou que a recuperação da economia brasileira vai depender "de grande parte" da ajuda de Estados e municípios e que a segurança tributária é importante para retomar investimentos.

"O mercado avalia que (o ministro da Fazenda, Joaquim) Levy vai tomar decisões boas para a economia, esse é o mote do dia, o reflexo de boas expectativas", completou Galhardo.

Swap

Nesta manhã, o BC fez a última intervenção diária no mercado de câmbio, vendendo a oferta total de 2 mil swaps cambiais, com volume equivalente a US$ 98,2 milhões. Foram vendidos 1,5 mil contratos com vencimento em 1º de dezembro de 2015 e 500 contratos para 1º de abril de 2015.

O Banco Central fez ainda dois leilões de venda de até US$ 2,5 bilhões ao todo com compromisso de recompra. A taxa de recompra da primeira operação, em 4 de agosto de 2015, ficou em R$ 3,32448 e a da segunda operação, em 2 de setembro de 2015, foi de R$ 3,35542.

Últimas de _legado_Notícia