Ibovespa sobe mais de 2% puxado por Petrobras

Ação da estatal dispara 4,8% após trégua entre Planalto e Senado. Dólar recua, cotado a R$ 3,15

Por O Dia

O mercado financeiro tem um dia de alívio após o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ter costurado um acordo no Senado para adiar a votação do projeto que muda o indexador da dívida dos estados e municípios, o que teria impacto de R$ 3 bilhões nos cofres públicos. O cenário contribui para forte a alta do Ibovespa, que por volta das 13h, subia 2,56%, aos 52.458 pontos. O dólar, por sua vez, operava em queda de 1,01%, cotado a R$ 3,159 na venda.

À frente dos ganhos, Oi PN tinha alta de 9,55%. A companhia anunciou nesta manhã que cortou 1070 postos de trabalho para reduzir gastos. Na contramão, Bradespar recuava 2,64%. Entre as blue chips, os papéis preferenciais da Petrobras subiam 4,83%.

Na agenda, a produção industrial de fevereiro amargou queda de 0,09% na comparação mensal, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao mesmo mês do ano passado, o recuo foi de 9,1%.

O Ibope divulgou, ainda, uma pesquisa encomendada pela CNI, na qual a avaliação negativa do governo Dilma Rousseff subiu de 27%, em dezembro, para 64%, em março. Já a aprovação da maneira de governar da presidenta caiu de 52% para 19% no mesmo período.

Nos Estados Unidos, as bolsas operam em queda em meio a indicadores mais fracos que o esperado. O número de novas vagas de trabalho no setor privado ficou aquém do esperado em março ao somar 189 mil, abaixo da expectativa de 225 mil postos, o que traz preocupações em relação ao relatório geral de emprego, que será divulgado na sexta-feira. Por volta das 13h, o Dow Jones caía 0,44%.

Últimas de _legado_Notícia