Por parroyo

O dólar fechou em alta superior a 1,7% ante o real nesta segunda-feira, após dados mostrarem queda surpreendente das exportações da China, que aumentaram as preocupações com o ritmo de crescimento da segunda maior economia do mundo.

A moeda norte-americana subiu 1,74%, cotado a R$ 3,1245 reais na venda, devolvendo grande parte da queda acumulada na semana passada, de 1,86%.

Bolsa

A Bovespa perdeu o ímpeto ao longo da segunda-feira e fechou com o seu principal índice praticamente estável, após se aproximar dos 55 mil pontos, com o declínio no setor de educação e a queda nos papéis da Vale contrabalançando o avanço de Petrobras.

O Ibovespa terminou com variação positiva de 0,05%, aos 54.239 pontos, após avançar mais de 1 por cento na máxima do dia, a 54.866 pontos, renovando máxima intradia em 2015. O volume financeiro somou R$ 6,5 bilhões.

"Rumores de que o balanço da Petrobras poderia vir na sexta-feira e de que ela pensa em vender ativos incluindo do pré-sal repercutem bem, pois diluiriam o risco", disse o analista de renda variável Fabio Lemos da gestora São Paulo Investments.

"Mas a agenda de indicadores macroeconômicos na semana está bastante intensa, no Brasil e no exterior, assim como a safra de resultados nos Estados Unidos, o que leva a crer que serão dias de grade volatilidade", acrescentou.

Petrobras desacelerou os ganhos após disparar 7% com notícia sobre venda de fatia na Braskem, embora tenha sustentado ganho forte, conforme segue a expectativa de divulgação do balanço auditado de 2014 no final da semana. As preferenciais terminaram em alta de 3,81% e as ordinárias subiram 4,99%.

Os declínios de 4,83% em Kroton e de 3,74% em Estácio pesaram no índice, diante de relatório do Credit Suisse adotando visão mais cautelosa para o setor, incluindo corte de Estácio para "underperform".

Vale caiu 1,56% e foi mais uma pressão negativa, apesar da trégua na queda do preço do minério de ferro, com a S&P colocando o rating da empresa em observação negativa e o UBS cortando a recomendação do ADR para "venda".

Dados de comércio exterior chinês também afetaram Vale, além de JBS e BRF, com operadores ainda citando notícia de O Globo, segundo a qual, JBS e BRF aparecem em diálogos interceptados pela Polícia Federal na Operação Zelotes.

Os privados Itaú Unibanco e Bradesco reforçaram o viés de baixa, com declínios de 1,32 e 0,23 por cento, dada a forte participação que têm no Ibovespa. A Fitch revisou nesta segunda a perspectiva dos bancos brasileiros.

Você pode gostar