Ibovespa tem 3ª queda seguida e vai abaixo de 55 mil pontos

Especulações que citaram potencial elevação da tributação de bancos voltaram a pesar no setor financeiro. Ação do Bradesco cai 2,5%

Por O Dia

A Bovespa fechou em queda nesta quarta-feira pelo terceiro pregão consecutivo, com ações de bancos entre as principais pressões de baixa novamente e notícias relacionadas ao ajuste fiscal doméstico e à ata do Federal Reserve ocupando atenções.

O principal índice da bolsa paulista, o Ibovespa, caiu 1,08%, aos 54.901 pontos. O volume financeiro somou R$ 8,3 bilhões.

Especulações que citaram potencial elevação da tributação de bancos e fim do mecanismo de Juros sobre Capital Próprio como estando entre as medidas de ajuste fiscal do governo federal voltaram a pesar no setor financeiro e em outras ações que também têm peso relevante no índice.

Pouco ajudou sinalização do relator do projeto que reverte parcialmente a desoneração da folha de pagamento de empresas de votar a proposta na Câmara dos Deputados apenas em junho, quando havia expectativa de votar o projeto nesta sessão.

Na véspera, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, havia dito que a aprovação do projeto no Congresso Nacional representará um voto de confiança do Poder Legislativo à atual política econômica.

Já a divulgação da ata da última reunião de política monetária do banco central norte-americano chegou a proporcionar algum suporte para o Ibovespa, disseram profissionais da área de renda variável, mas as vendas logo voltaram a prevalecer.

No documento, muitas autoridades do Fed são citadas como acreditando em abril que seria prematuro uma elevação de juros dos EUA em junho e que o impulso para a inflação era ofuscado por um mercado de trabalho mais fraco e indicadores econômicos piores.

Destaques

Bradesco e Itaú caíram 2,51% e 1,78%, respectivamente, enquanto Banco do Brasil caiu 0,95%. A coluna Direto da Fonte do jornal o Estado de S.Paulo citou possibilidade de extinção do mecanismo d remuneração de investidores conhecido como Juros sobre Capital Próprio. O BTG Pactual destacou em nota a clientes que o lucro do Banco do Brasil lucro poderia cair 10 por cento com a medida e citou relatório de março, quando estimou efeito negativo de 8 por cento no lucro do Itaú e Bradesco e de 9 por cento no do Santander Brasil em 2015. O setor também vem sofrendo desde o início da semana por temores sobre possível aumento na Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Vale encerrou com queda de quase 2% nas preferenciais, reforçando a pressão negativa no índice, com o minério de ferro engatando o sétimo dia consecutivo de queda na China e atingindo o menor valor desde 4 de maio no porto de Tianjin.

Petrobras teve uma sessão volátil, encerrando no vermelho. A companhia pode ser obrigada a republicar o balanço do primeiro trimestre de 2015, se ficar comprovado que lançou no resultado valores de operações que aconteceram depois de março, indicou o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Leonardo Pereira.


Últimas de _legado_Notícia