Por lucas.cardoso

Rio - Os aluguéis continuam despencando no Rio. Para se ter ideia, a Zona Sul foi a região que apresentou as maiores quedas nos preços da locação de março de 2016 a março deste ano, de acordo com levantamento mensal feito pelo Sindicato Habitação (Secovi Rio). Jardim Botânico foi o local onde o metro quadrado mais caiu, 12%, chegando a R$ 43,65. Botafogo e Copacabana tiveram redução de cerca de 7% nos valores.

Os preços mais baixos têm a ver com o aumento de 48% na oferta de apartamentos para alugar na Zona Sul da cidade. “Muitos imóveis que não estão sendo vendidos estão migrando para o mercado de locação. Além disso, com a crise, as pessoas estão se mudando para bairros mais baratos, deixando mais apartamentos vagos”, analisa o vice-presidente do Secovi Rio, Leonardo Schneider.

Ainda de acordo com a pesquisa, o metro quadrado mais caro continua sendo o do Leblon, R$ 60,77, seguido do de Ipanema, R$ 58,92, e do da Lagoa, R$ 49,06. O preço mais em conta da Zona Sul é o cobrado em Laranjeiras, R$ 33,57, preço 81% mais barato que o do Leblon.

Já análise feita no primeiro trimestre pelo portal Viva Real revela que o preço nominal médio do metro quadrado para aluguel no Rio atingiu R$ 33,06 no primeiro trimestre de 2017, menor valor desde o início de 2014. Segundo o levantamento DMI-VivaReal, o aluguel ficou 4,5% mais barato em relação ao mesmo período do ano anterior (R$ 34,62). Em relação ao último trimestre de 2016 (R$ 33,33), os preços tiveram queda de 0,8%.

Em comparação com o primeiro trimestre de 2016, nenhuma das zonas ou bairros apresentaram valorização. A Zona Norte carioca registrou a menor desvalorização (-3,7%) no preço do metro quadrado para aluguel nos três primeiros meses de 2017. Já a Zona Central teve a maior redução no preço médio (-17,1%).

O preço nominal médio do metro quadrado de locação no Brasil atingiu o valor de R$ 23,08/m² no primeiro trimestre. São Paulo lidera a lista das cidades mais caras ao atingir R$ 35,38/m² e é seguida por Rio de Janeiro (R$ 33,06), Brasília (R$ 32,05), Santos (R$ 29,63) e Recife (R$ 25,71).

O DMI-VivaReal (Dados do Mercado Imobiliário) contempla uma amostra de 30 cidades em diferentes regiões do país e considera mais de 2 milhões de imóveis usados disponíveis para compra ou aluguel.

Você pode gostar