Sinal de melhora graças ao 'Minha Casa Minha Vida'

Unidades de dois quartos, com preços de R$ 225 mil a R$ 500 mil, se destacaram

Por O Dia

Rio - O mercado imobiliário começa a reagir lentamente. De acordo com o relatório da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio (Embraep), os imóveis que mais se destacaram nos últimos meses foram os de dois quartos, cuja área útil varia entre 45 e 65 metros quadrados, com preço entre R$ 225 mil e R$ 500 mil e volume de vendas maior de imóveis na planta. Segundo dados das empresas associadas à Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), os lançamentos totalizaram 42.058 unidades entre janeiro e agosto, 9% a mais do que o visto no mesmo período de 2016. Na mesma base de comparação, as vendas de imóveis novos somaram 68.632 unidades, alta de 3,4%. Os resultados até o momento reforçam a trajetória positiva dos últimos 12 meses, quando tanto os lançamentos (73,3 mil unidades) quanto as vendas (105,3 mil unidades) de imóveis novos cresceram — respectivamente, 4,6% e 2,3% em relação ao registrado no período imediatamente anterior.

Opção de empreendimentos que contam com subsídios do programa 'Minha Casa Minha Vida'%3A vendas são maiores na planta%2C diz relatórioDivulgação

Ainda é possível detectar diferenças no desempenho dos empreendimentos residenciais de médio e alto padrão (MAP) e dos condomínios residenciais vinculados ao 'Minha Casa Minha Vida' (MCMV). De um lado, apesar da alta registrada nos lançamentos residenciais de médio e alto padrão (+3,1%) nos últimos 12 meses, as vendas do segmento ainda acumulam queda de 14,3% frente ao período precedente. Por outro, o número de lançamentos residenciais do programa habitacional cresceu 4,9% nos últimos 12 meses em relação ao período anterior, tendência positiva acompanhada pelo aumento no volume de vendas (+23,8%), na mesma base de comparação.

Para a Abrainc, considerando todos os segmentos, foram contabilizados 37,3 mil distratos nos últimos 12 meses, o equivalente a 35,4% das vendas de imóveis novos. No mesmo período, a relação entre distratos e vendas do segmento MAP foi de 45,6%, enquanto essa taxa foi de 19,8% entre empreendimentos MCMV. Levando-se em conta a safra de lançamentos mais antiga na série histórica (primeiro trimestre de 2014), a proporção de distratos entre as unidades vendidas do segmento MAP é de 32,8%, percentual que supera o registrado para a mesma safra de empreendimentos do programa habitacional (20,3%).

Unidades mais vendidas pelas construtoras têm área útil que varia entre 45 e 65 metros quadradosDivulgação

Mais segurança para negócios

A Danpris Construtora e Incorporadora paulista, que investe no 'Minha Casa Minha Vida', enxerga um panorama de sucesso para este ano. O motivo é uma melhora na confiança do consumidor no longo prazo, que se sente mais seguro para fechar negócio. A queda da inflação e a perspectiva de redução da taxa básica de juros nos próximos meses também trazem benefícios. "Em um momento delicado como o que atravessamos, a Danpris busca inovar, oferecendo opções e novidades, com empreendimentos completos, além de condições especiais de venda para atrair novos compradores e negociações mais flexíveis", explica Dante Seferian, CEO da construtora. Entre essas condições, estão zero de entrada, parcelas pequenas durante a construção e a vantagem de poder parcelar a entrada, usando, inclusive, o 13º salário.

O Residencial Reserva do Bosque, bairro Residencial São Luís, em Francisco Morato, também em São Paulo, da Cronaincorp, conta com facilidades na hora da compra. São 288 unidades de dois quartos, lazer completo, estacionamento e segurança 24h, com preços a partir de R$ 146.500. Algumas construtoras do Rio também focadas no programa oferecem condições especiais de pagamento. É o caso de Azul Construções, Eólica, MRV Engenharia e do escritório de arquitetura Mdoito, focados na gestão de empreendimentos do 'Minha Casa Minha Vida' em São Gonçalo e Itaipava.

Últimas de _legado_Imóveis